Como escolher o melhor material didático para sua escola?

Saber como escolher o melhor material didático certamente é uma questão que pode vir à tona quando você busca crescimento e sucesso para sua escola.

A exigência de pais, alunos e da própria sociedade moderna com suas constantes mudanças, sobretudo tecnológicas, demandam que diretores de escolas estejam atentos para a melhor forma de educar os estudantes e desenvolver um sistema de ensino transformador e eficaz.

Ter domínio sobre os principais tipos de material didático disponíveis faz toda a diferença para quem quer ver a sua escola prosperar no ramo da educação. Aprenda mais sobre essa questão com este post. Você verá que as informações que separamos aqui serão essenciais para a sua escola. Confira!

Os tipos de material didático

Tradicionalmente, o uso do livro didático predominou na educação brasileira por muitas décadas. Seu caráter abstrato e conteudista — o qual fazia com que o professor precisasse contextualizar as informações presentes no livro para os alunos — foi a base de formação de muitos estudantes no país por diversas gerações.

Ainda hoje, existem muitos educadores e especialistas que defendem o uso do livro e o papel central do professor na coordenação do conteúdo ensinado ao estudante. Justamente pelo seu caráter mais abstrato e menos direcionado que um sistema estruturado de ensino, por exemplo, é que alguns defendem a ideia de que pode ser mais transformador que os modelos contemporâneos de aprendizado.

Do outro lado, temos escolas cada vez mais modernizadas e com uma estrutura pedagógica altamente organizada a fim de gerar um ambiente escolar mais motivado. O ensino privado tem investido bastante no sistema estruturado como resposta à obsolescência do livro didático em relação ao contexto atual, no qual os estudantes estão a todo tempo conectados em tablets, celulares e demais dispositivos acessando informações diversas ininterruptamente. 

O livro didático

O livro didático possui limitações severas se considerarmos o contexto contemporâneo e a forma como os alunos lidam com o tempo.

A necessidade de ter que fazer anotações enquanto o professor dá uma explicação no quadro e a maneira desestruturada como o ensino ocorre — geralmente, os livros se dividem por assuntos organizados de forma não linear — exigem que o professor tenha um grande domínio sobre o material para não se perder em relação ao projeto pedagógico da escola.

Como também sabemos que o ritmo de vida do docente é atribulado, isso pode criar uma situação na qual não se tem muito controle sobre o que está sendo ensinado e o modelo de ensino possa ser levado até mesmo no improviso.

Por essas razões, o sistema estruturado começou a ganhar força no Brasil a fim de organizar ou mesmo tonificar os pontos fracos da educação nacional, e o Eleva tem se ocupado em estar a frente nesse processo. É disso que vamos falar a seguir:

O sistema estruturado

O sistema estruturado funciona por meio de livros didáticos com enfoque em um material contextualizado com a realidade do aluno e que traz aplicações práticas ao que está sendo passado dentro da sala de aula.

Além do mais, dependendo do serviço contratado, professores e alunos podem contar com uma plataforma de ensino que dispõe de todo o conteúdo e aplica testes e exercícios variados que acompanham o livro.

É de praxe também contar com o treinamento especializado dos professores que trabalham no sistema estruturado para preparar os docentes a lidarem com o material bem como prestar assistências aos educandos.

No Eleva, por exemplo, esse caráter do suporte é tão importante que é utilizada uma plataforma de ensino adaptativa que acompanha o desenvolvimento de cada aluno e busca dar um atendimento personalizado a ele.

A Diretora Pedagógica do Eleva, Carolina Pavanelli, explica melhor como isso funciona: “É uma plataforma inteligente, que propõe listas de exercícios e, conforme o aluno vai fazendo, a plataforma vai entendendo quais são as dificuldades dele, o que ele tem de avançado em relação à matéria. E a partir daí, ela vai moldando listas de exercícios de acordo com cada pessoa, por isso que ela é adaptativa”.

Esse trabalho individual reflete também no grupo, já que o monitoramento do desenvolvimento de cada um revela também um panorama maior de como anda a turma, qual seu perfil e o que pode ser feito para se aprimorar cada vez mais. É certo que a tecnologia pode fazer uma grande diferença no ensino.

A tecnologia como diferencial no ensino

Ainda que muitos educadores e especialistas possam se opor ao uso da tecnologia no desenvolvimento educacional, é fato que ele se torna um elemento indispensável quando lidamos com as novas gerações.

A grande sabedoria hoje é usar isso ao próprio favor e promover um ambiente de ensino que permita e até mesmo incentive os alunos a usarem seus tablets, celulares e computadores para desempenharem tarefas relativas ao projeto pedagógico da escola por meio de uma plataforma de ensino.

O sistema estruturado faz isso por meio dos seguintes pontos:

  • a partir do 2º ciclo da Educação Fundamental, os alunos recebem QR codes nos livros para acessarem conteúdos exclusivos na plataforma;

  • o conteúdo tem orientação prática e são contextualizados com a contemporaneidade;

  • os diversos conteúdos complementares existentes no meio virtual dão uma aplicação prática à relação entre tecnologia e educação.

Escolas de ponta têm investido nessa possibilidade, garantindo maior organização no planejamento das aulas, cumprimento do cronograma, atenção ao projeto pedagógico, otimização do tempo e satisfação de pais e alunos. Esses já são motivos mais que suficientes para se considerar a alternativa como um possível modelo para sua escola.

A escolha do material didático mais adequado

Escolher o material didático envolve muitas questões, que passam até pela filosofia de ensino e modelo praticado por sua escola. Ainda que a opinião de especialistas possam se dividir sobre esse assunto, você precisa pensar no que é mais efetivo para seu ambiente escolar.

Aqui no Eleva, por exemplo, nós investimos em conhecer a realidade de países de ponta na educação como a Finlândia e recentemente levamos alguns de nossos melhores profissionais para vivenciarem uma formação lá.

Quem afirma isso é a educadora Carolina Pavanelli, que lembra como essa experiência fez uma grande diferença no know-how dos colaboradores do Eleva e da própria empresa que tem investido de forma consistente no desenvolvimento de um material inovador.

Com isso, garantimos tanto o desenvolvimento tanto do aspecto social e filosófico do ensino quanto questões práticas como a necessidade dos alunos em obter aprovações no Enem e vestibulares.

Por meio de estudos estatísticos, conseguimos levantar em nosso material didático quais os tipos de questões mais caem e também as que menos aparecem nesses exames e produzir um material de excelência para quem adota nosso sistema.

A educação tem se diversificado e conhecer os diferentes modelos é de primordial importância.

Se gostou de saber como escolher o melhor material didático a fim de construir o seu planejamento escolar mas ainda tem alguma dúvida, deixe seu comentário no post que será um prazer esclarecê-la para você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This