Habilidades socioemocionais: como elas impactam o aluno?

Somente o conteúdo didático das escolas já não é mais suficiente para o ensino dos dias atuais. Mais do que habilidades técnicas, as pessoas precisam entender e desenvolver suas habilidades socioemocionais. Essas serão importantes não só na área acadêmica e profissional, mas em toda a trajetória de cada indivíduo.

As habilidades socioemocionais nascem com as pessoas, mas podem ser adquiridas, trabalhadas e incentivadas ao longo da formação. Esse trabalho deve ser iniciado desde cedo, na escola e no convívio familiar.

O intuito desse desenvolvimento é formar indivíduos que saberão lidar com as outras pessoas e com suas próprias questões da melhor forma possível.

Você já trabalha com essas habilidades no ambiente escolar? Confira um pouco mais sobre como elas podem impactar os alunos e render bons frutos para toda a vida!

O que são habilidades socioemocionais?

As habilidades socioemocionais cumprem o papel de preparar os alunos para os desafios diários. Com elas trabalhadas, eles começam a enxergar suas relações, desafios e conflitos com outros olhos, e agem dentro de suas possibilidades.

Mais do que preparar alunos para o futuro, o desenvolvimento dessas habilidades é pensada também para o momento atual de cada estudante. “Muitas vezes a gente fica no discurso de preparar o aluno para o futuro, mas a gente tem que pensar o aluno hoje”, explica Caio Lo Bianco, Gerente Executivo da Eleva Educação. 

Essas habilidades são muitas e podem ser tratadas de diversas formas. Na Eleva, trabalhamos com seis habilidades e quatro pilares no projeto LIV (Laboratório Inteligência de Vida), que tem o propósito de desenvolver competências socioemocionais nos alunos. 

Os pilares da Inteligência Emocional são autoconhecimento, autocontrole, empatia e relacionamento. Em conjunto a ele, as seis habilidades socioemocionais são:

Colaboração

A colaboração é importante em qualquer ambiente em que uma pessoa esteja inserida, já que ninguém vive sozinho e sempre depende de outras pessoas. Nesse pilar, três pontos são fundamentais: saber ouvir, se colocar no lugar do outro e propor soluções incorporando as ideias de todos.

Ou seja, é importante que todos trabalhem juntos para desenvolverem resultados e soluções positivas para ir mais longe.

Criatividade

A criatividade busca tirar os alunos de suas zonas de conforto e incentiva o pensar fora da caixa. Se estimulada, faz com que todos se conectem a diversas ideias e considerem soluções fora da área de conhecimento e especialidade de cada.

Comunicação

Mais do que ter boas ideias, é preciso saber como transmiti-las para as outras pessoas. Por isso, a comunicação é uma habilidade socioemocional com tanta importância. Estamos num momento em que tudo passa muito rápido, as informações disponíveis são muitas e muitos discursos são feitos.

Tudo isso precisa ter propósito e ser falado claramente. Não se vive sem comunicação e, quando ela é bem-feita e desenvolvida, o entendimento flui melhor para qualquer resultado.

Proatividade

Dar o primeiro passo e agir mesmo que ninguém lhe peça nada! A proatividade quer que cada um entenda que é o centro de sua própria vida e que tem liberdade para iniciar qualquer coisa. É não apenas pensar, mas também implementar.

Atualmente, as coisas são muito fáceis e tudo é dado para os alunos, fazendo com que eles sejam pouco proativos. Por isso, essa habilidade é de tamanha importância a ser desenvolvida e reforçada.

Pensamento crítico

É a habilidade de se identificar diversos lados sobre um mesmo assunto, uma vez que muitas são as opiniões sobre cada tema. Portanto, saber filtrar e utilizar cada uma delas é muito importante.

Nada mais necessário no mundo atual do que saber identificar e validar as informações, no meio de tantas informações falsas que surgem nas redes.

E, principalmente, estar disposto a reconsiderar uma opinião com base em diferentes ideias. Um cidadão crítico é capaz de ver além de seu mundo e está aberto para várias perspectivas, preservando o respeito ao outro.

Perseverança

Nada mais é do que a habilidade de se planejar para alcançar um objetivo e exercer esse planejamento por algum tempo, sabendo que algumas dificuldades certamente surgirão no caminho.

É importante trabalhar a perseverança para criar pessoas que não desistam de seus sonhos e que saibam valorizar cada luta e cada passo que deram até chegar na realização de algo maior.

Como desenvolver essas habilidades no ambiente escolar?

Conhecendo um pouco mais sobre as habilidades socioemocionais, a pergunta é: como desenvolvê-las no ambiente escolar? É, sim, possível que as habilidades sejam aprendidas, praticadas e ensinadas, principalmente nos primeiros anos de educação.

Atualmente, é muito fácil que o aluno encontre qualquer conteúdo, na hora que quiser. Ele não precisa mais só da escola para aprender algo, por isso, o ensino didático fica ultrapassado nas instituições. É necessário desenvolver essas habilidades para formar mais do que profissionais, é preciso formar cidadãos preparados para a vida no geral.

Além disso, quando essas habilidades são desenvolvidas, mais fácil torna-se trabalhar a parte acadêmica. É importante ressaltar que a nova Base Nacional Curricular Comum traz essas competências como fundamentais, então, a partir de 2020, não será mais uma questão de escolha a escola ensinar sobre, mas sim uma obrigação.

Para ensiná-las na escola, é importante que os educadores, direção e todo o sistema escolar estejam em sintonia e com suas habilidades desenvolvidas. De nada adianta ter profissionais com ótimos currículos, mas que não transmitem e não dão exemplos para os alunos.

Há diversas formas de se trabalhar com as habilidades socioemocionais, e elas modificam de acordo com cada escola e profissional. Mas podem ser feitas atividades lúdicas, rodas de conversas, debates e, principalmente, muita experimentação.

“Na aula de LIV, o professor é muito mais um mediador do que um professor. Aqui não tem certo ou errado, mas sempre uma oportunidade pra melhorar. O educador propõe e também faz parte daquela proposta”, explica Lo Bianco.

Como as habilidades socioemocionais ajudam na carreira?

Muitas profissões deixam de existir com o passar dos anos, e diversas outras surgem. Com tanta tecnologia, as empresas precisam mais do que profissionais técnicos e passam a prezar por outras características, principalmente as socioemocionais.

Quanto às habilidades técnicas e acadêmicas, o que se pede atualmente não é o que o profissional sabe, mas como ele aplica esse conhecimento. As habilidades socioemocionais preparam exatamente para o como fazer e para os desafios encontrados no percurso.

Os alunos então saberão lidar melhor com seus problemas e com os degraus que encontrarem nas carreiras. Além de estarem melhores preparados para lidar com outras pessoas e suas particularidades.

Qual é o papel da família nesse processo?

Desenvolver habilidades socioemocionais é um processo diário, que não tem idade, nem hora de acabar. A família é fundamental nesse processo, já que são eles os espelhos e os exemplos tomados pelos alunos.

O aluno é constantemente treinado e incentivado na escola, e tudo isso deve ser praticado no ambiente familiar. Quando a família não dá espaço para a comunicação ou proatividade, por exemplo, fica difícil para que ele coloque em prática o que lhe foi ensinado na escola.

É importante que família e escola caminhem juntos, sempre em busca de um mesmo objetivo.

As habilidades socioemocionais estão cada vez mais em voga e devem ser estimuladas em casa, na escola e em qualquer ambiente que o indivíduo esteja inserido. Ao serem trabalhadas desde a infância, as chances de encontrarmos adultos mais preparados para enfrentarem os desafios da vida são maiores!

Gostou de saber mais sobre esse tema tão importante? Siga nossos perfis no Facebook, LinkedIn e YouTube e fique sempre por dentro das nossas novidades!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This