Qual é o papel do coordenador pedagógico em uma instituição de ensino?

Coordenador Pedagógico de uma escola conversando com alunos.
12 minutos para ler

Acompanhar e avaliar o processo de ensino-aprendizagem, incentivar a atualização e formação de professores, buscar inovações para a escola e melhorar a relação professor-aluno são algumas das funções do coordenador pedagógico. Para que ele consiga desempenhar bem essas atividades, é necessário tempo e dedicação exclusiva a elas.

Muitas vezes, devido ao acúmulo de outras responsabilidades, o coordenador acaba tendo seu desempenho prejudicado. Afinal, em muitas escolas, esse educador ainda é visto como um fiscalizador focado na resolução de problemas, como realizar a substituição de professores ou solucionar conflitos entre alunos. Em outros casos, é ainda pior: a figura do coordenador pedagógico não existe e o funcionamento da estrutura de trabalho é comprometida.

Preparamos este artigo a fim de ajudá-lo a encontrar o melhor perfil de coordenador pedagógico e atualizá-lo a respeito de suas atividades dentro da instituição de ensino. Aqui, explicaremos quais são as funções desse profissional, sua relevância para o contexto educacional e os principais desafios encontrados no ambiente escolar. Confira!

Qual é o papel do coordenador pedagógico em uma instituição de ensino?

O papel do coordenador pedagógico e suas funções

Para entender melhor o papel do coordenador pedagógico dentro do ambiente escolar, listamos as quatro principais tarefas que esse educador precisa exercer.

Acompanhar e avaliar o processo de ensino-aprendizagem

A ideia de que o coordenador pedagógico é responsável por controlar e fiscalizar o ambiente escolar só foi deixada para trás após os anos 1990, em decorrência de alterações propostas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9394/1996). A partir desse momento, esse profissional passou a realizar uma das funções mais importantes dentro de uma instituição de ensino: monitorar e avaliar o processo de ensino-aprendizagem.

Dentre as atividades mais recorrentes do coordenador pedagógico estão: debater a direção, corpo docente e alunos sobre o planejamento escolar que será adotado, selecionar as referências bibliográficas a serem usadas nas aulas, identificar o que está funcionando e o que precisa melhorar dentro do ambiente educacional. Ou seja, sempre garantir a eficiência do processo de ensino-aprendizagem.

Planejar e conduzir reuniões pedagógicas

Outra atribuição importante do coordenador é organizar reuniões pedagógicas com os professores. Nelas, são debatidas formas de melhorar o funcionamento da escola. Esses são os momentos de expor opiniões, refletir sobre o planejamento adotado pela instituição e compartilhar metodologias de ensino inovadoras.

O principal objetivo desses encontros é ouvir quais são as demandas e dificuldades enfrentadas pelos educadores. Afinal, eles estão presentes no dia a dia dos alunos e participam de todos os processos da escola, tendo uma visão clara a respeito do que pode ser aprimorado.

Incentivar a atualização profissional

Nos dias de hoje, é preciso estar constantemente atualizado para não ser surpreendido com alguma grande mudança. No ambiente escolar, a situação não é diferente. Isso porque os professores precisam se atualizar constantemente, a fim de realizar um trabalho cada vez melhor dentro da sala de aula.

Cabe ao coordenador pedagógico, portanto, auxiliar, motivar e engajar os professores no processo de capacitação contínua. Essa é uma forma de garantir que esses docentes estejam sempre buscando maneiras de se aprimorar em relação aos métodos de ensino e formas de avaliação. Isso é possível a partir de cursos, palestras e especializações que acrescentem à formação do profissional e tenham impacto positivo sobre os alunos e ambiente de trabalho.

Trazer inovação para a instituição de ensino

Acompanhar a tecnologia é fundamental para garantir um maior engajamento dos alunos dentro de sala de aula. Por isso, o coordenador pedagógico deve incentivar os professores a utilizar abordagens inovadoras, a fim de aprimorar as práticas tradicionais de ensino, oferecendo um conteúdo contextualizado e interativo.

As plataformas adaptativas — que, por meio de softwares, propõem atividades diferenciadas e personalizadas para os alunos — são exemplos de inovação educacional que têm ganhado espaço nas escolas. Elas incentivam os estudos em casa e reforçam o conteúdo aprendido com os livros didáticos.

A importância do coordenador pedagógico na relação familiar e na escola

Além das atribuições dentro do ambiente escolar, o coordenador pedagógico precisa exercer um papel fundamental na relação entre família e escola. Atuando como um mediador, ele precisa garantir que pais e responsáveis participem ativamente do processo de aprendizagem do aluno, aproximando-os.

Para colocar em prática essas atividades, são realizados encontros e reuniões regulares. A partir daí, será possível debater a respeito do rendimento dos alunos dentro da sala, ouvindo a família e descobrindo formas de solucionar eventuais problemas com aprendizagem ou disciplina.

Essa relação entre o colégio e a família também é importante para identificar situações prejudiciais ao desempenho do aprendiz. Assim, será possível solucionar problemas traçando estratégias ao lado dos educadores. Além disso, essa proximidade aumenta as chances de realizar um trabalho mais preciso e personalizado — o que impacta diretamente na retenção de alunos para o próximo ano letivo.

No ambiente escolar, o coordenador pedagógico também tem um papel fundamental na relação professor-aluno. A seguir, vamos entender melhor como isso acontece.

Benefícios da relação professor aluno para a escola

Dentro da escola, especialmente na sala de aula, o aluno vê o professor como uma autoridade. A hierarquia é clara e gera uma relação de poder na qual o estudante é o lado que deve obediência, ainda que discorde de certos comandos. Dessa forma, a relação professor-aluno muitas vezes sofre um desgaste que os coloca em lados opostos, causando prejuízos ao aprendizado.

Além dos conflitos que podem surgir em decorrência disso, como as situações em que o aluno desafia a autoridade do professor e este reage aplicando punições, a tensão ainda reflete na relação dos próprios alunos uns com os outros. Tudo isso cria um ambiente desfavorável ao processo educativo que deve acontecer na escola.

Por outro lado, quando existe uma relação de parceria e confiança entre educadores e estudantes, os resultados são visíveis. O aluno se sente estimulado a participar das atividades e não hesita em buscar o auxílio do professor para superar dificuldades de aprendizagem, enquanto o educador encontra motivação para proporcionar o melhor ensino possível.

Assim, a sala de aula jamais deve se tornar uma espécie de campo de batalha onde limites são testados. Ela precisa ser um ambiente saudável que encoraja a cooperação, levando ao crescimento mútuo e a um processo de ensino-aprendizagem bem-sucedido.

Uma boa relação professor aluno beneficia não apenas os indivíduos diretamente envolvidos nela, mas a escola como um todo. Com uma convivência pacífica, as ocorrências de indisciplina no ambiente escolar diminuem consideravelmente, o que também evita conflitos entre docentes e pais, ou responsáveis.

Para alcançar esse resultado, é natural que ambas as partes necessitem de suporte. Nesse contexto, a atuação do coordenador pedagógico faz toda a diferença.

A relação entre coordenador e professor

Entre as atribuições do coordenador pedagógico na escola também está a de apoiar o educador em suas atividades. Esse profissional é um corresponsável pelo que acontece na sala de aula, de modo que a maneira de se certificar de que tudo está ocorrendo dentro do esperado é trabalhando em conjunto com o professor.

Como parceiros em busca de estabelecer uma relação professor-aluno mais eficiente, entre outras metas, o coordenador pedagógico e o mentor devem reconhecer que cada um tem o seu papel no ambiente escolar e que precisam estar integrados para alcançar os objetivos em comum. Assim, essa é uma relação que exige respeito mútuo.

Nesse sentido, a boa comunicação é um fator essencial para que esses profissionais trabalhem juntos. Quando o coordenador for fazer uma observação na sala, por exemplo, é importante deixar claro que não se trata de vigiar a aula, mas sim de tomar conhecimento da real situação da turma e suas necessidades.

Deve-se marcar uma data com antecedência, explicando por que essa ação é necessária. Após a observação, o coordenador precisa elaborar um relatório e fornecer feedbacks que possam contribuir para a melhora do trabalho do professor. Enquanto elogios podem ser feitos em público, críticas devem ser reservadas para um momento particular, sempre com empatia, evitando constranger o profissional.

O coordenador pedagógico e o professor podem, ainda, trabalhar juntos no planejamento das aulas. Uma vez que o coordenador lida com muitas turmas e outros colegas, ele tem uma visão mais ampla da proposta pedagógica da escola e de como os conteúdos de todas as disciplinas podem se alinhar.

Esse contato do coordenador com todos os docentes também é útil para promover a integração entre eles. Dessa forma, a interdisciplinaridade vai ser cada vez mais aperfeiçoada, além de que a equipe se sentirá estimulada a compartilhar ideias de como a estrutura curricular pode ser melhorada e trabalhada.

Assim, o diálogo e o respeito são as bases para que professores e coordenadores atuem em parceria, em prol de aumentar a qualidade da educação que é oferecida pela escola.

O coordenador pedagógico e a relação professor aluno

A partir da observação feita em sala de aula, o coordenador pedagógico consegue identificar pontos que podem ser lapidados e, assim, ajudar o educador a tomar atitudes para melhorar a relação professor aluno. A seguir, confira algumas delas.

Controlar o tom de voz

Naturalmente, o professor precisa usar um tom de voz firme para transmitir segurança sobre o que fala e para ser ouvido por toda a turma. Às vezes, porém, as conversas entre os alunos durante a aula o induzem a elevar esse tom. Nesse caso, é importante não acabar gritando, pois isso só vai fazer com que o professor pareça rude e pouco receptivo ao diálogo com os alunos.

Ajustar a linguagem ao nível da turma

Como um especialista na sua área de formação, o professor conhece muito bem os conteúdos que leciona, incluindo termos técnicos e um vocabulário mais rebuscado. No entanto, é importante que ele saiba transmitir o conhecimento por meio de uma linguagem acessível aos alunos, tornando as aulas mais próximas deles.

Mudar a organização da sala de aula

O formato tradicional da sala de aula, com as carteiras alinhadas em fila e o professor na frente de todos, reforça a relação de poder no ambiente educacional, o que pode ser intimidante para eles. Assim, é uma boa ideia variar a organização das carteiras para o formato circular, que estimula a aproximação e o diálogo ao permitir que o professor ocupe um lugar juntos aos alunos.

Ser transparente quanto aos métodos de avaliação

Os alunos costumam se preocupar bastante com as notas, de modo que eles encaram o professor como aquela pessoa capaz de aprová-los ou reprová-los. Por isso, a relação professor aluno pode ser mais tranquila se o docente mostrar como os estudantes podem alcançar bons resultados. Isso inclui explicar os métodos de avaliação e ressaltar a importância da participação nas aulas.

Estar disponível fora da sala de aula

A timidez impede que muitos alunos façam questionamentos diante dos colegas, especialmente quando há dificuldades de aprendizagem. Em vista disso, um fator imprescindível para uma boa relação entre o docente e o aluno é a disponibilidade que o docente deve ter quando for abordado antes ou depois das aulas. Sendo atencioso e compreensivo, o profissional conquista a confiança dos estudantes.

Os desafios encontrados em meio à rotina do coordenador pedagógico

Diferentemente do que muitas pessoas acreditam, os desafios do coordenador pedagógico não estão ligados à fiscalização da entrada e saída de estudantes ou à substituição de professores ausentes. Afinal, em sua rotina, são outros os problemas que podem atrapalhar o desenvolvimento do trabalho, como a falta de comunicação entre alunos, pais e professores ou a ausência de atualização dos recursos educacionais.

Muitas vezes, é difícil realizar um planejamento a longo prazo por conta de pequenos problemas mais urgentes que surgem em meio ao cotidiano. Nesse sentido, um grande desafio na rotina do coordenador é o público variado com o qual precisa lidar — professores, família, alunos e direção — a fim de garantir o bom funcionamento da instituição de ensino. Dessa forma, é necessário conseguir alinhar um planejamento estratégico que agrade a todos os envolvidos.

Por ser o responsável pela relação entre os diferentes públicos que compõem o ambiente escolar, o coordenador precisa ter a autonomia para transitar entre diretores, professores e estudantes. Por isso, é preciso tomar decisões difíceis em um curto espaço de tempo, sendo, desse modo, fundamental que esse profissional tenha a liberdade de identificar dificuldades e propor soluções.

Foi possível perceber a relevância do coordenador pedagógico dentro do ambiente educacional? Além de acompanhar de perto o desempenho dos estudantes e garantir seu engajamento, esse profissional está sempre próximo dos professores, avaliando a qualidade do ensino, do material oferecido, solucionando possíveis problemas e buscando a melhora da relação professor-aluno.

Então, agora que você já se informou a respeito das funções e desafios de um coordenador pedagógico dentro de um colégio, que tal continuar acompanhando conteúdos como este? Assine a nossa newsletter e não perca as nossas próximas publicações!

Qual é o papel do coordenador pedagógico em uma instituição de ensino?
Qual é o papel do coordenador pedagógico em uma instituição de ensino?

2 thoughts on “Qual é o papel do coordenador pedagógico em uma instituição de ensino?

Deixe uma resposta