Criatividade: entenda a importância do desenvolvimento dessa habilidade

criatividade
17 minutos para ler

Criatividade não é um conceito novo, mas você já notou como ele tem sido cada vez mais abordado nos últimos anos? Seja para divulgar um novo produto, elogiar um artista ou mesmo requisitar essa competência para uma vaga de emprego, vemos o uso do termo. No entanto, nem sempre entendemos o que está por trás desse conceito subjetivo e nem sabemos como desenvolver essa competência.

Pensar nesses aspectos é fundamental, principalmente para os educadores. Em um mundo em constante transformação, ser uma pessoa criativa pode contribuir positivamente para transmitir conhecimentos de maneira atrativa.

Indo além, os professores podem ser grandes agentes do desenvolvimento da criatividade em seus alunos, ajudando a formar adultos inovadores e prontos para os desafios da sociedade.

Neste artigo, preparamos um conteúdo completo que aborda desde a origem da criatividade até os caminhos para desenvolver essa habilidade e aplicá-la no dia a dia. Continue a leitura e confira!

O que é criatividade?

O termo criatividade tem origem no latim “creare”, que traz como significado primário a capacidade de criar coisas novas. Ao longo dos anos, muitos autores estudaram esse conceito.

Em um livro escrito em 1974, Morris Isaac Stein definiu como criatividade “o processo que resulta em um produto novo, que é aceito como útil e satisfatório por um número significativo de pessoas em algum ponto no tempo”.

O autor também explicou como a sociedade pode ou não favorecer o desenvolvimento da criatividade nos indivíduos. Para ele, a liberdade de estudar, questionar e ter experiências diversas em múltiplas áreas influencia diretamente na mente criativa de uma pessoa.

Apesar de qualquer pessoa ter dentro de si o potencial criativo, essa característica pode se manifestar de inúmeras formas. A pesquisadora brasileira Eunice Soriano de Alencar explicou essa ideia em uma entrevista para a revista Superinteressante: “Comparo a criatividade à eletricidade, que pode tanto se expressar numa poderosa descarga elétrica durante uma tempestade como acender uma lâmpada de uns poucos volts”.

E como identificar se alguém possui essa qualidade? Alencar pontuou algumas características que parecem estar presentes na personalidade dos indivíduos com a criatividade mais aflorada. Segundo ela, são pessoas com pensamento independente, curiosas, ousadas e inconformadas.

Criatividade: entenda a importância do desenvolvimento dessa habilidade

Como a criatividade está no nosso dia a dia?

Quando pensamos em criatividade, geralmente nos vem à mente o trabalho feito por artistas, como pintores, escritores e músicos. Eles são conhecidos por terem processos criativos complexos, momentos de “eureka!” e até mesmo bloqueios durante um projeto.

No entanto, é fundamental entender que a criatividade se manifesta para além desses espaços. Na verdade, podemos encontrá-la em todas as áreas da nossa sociedade e através dos séculos.

Basta pensar nas grandes invenções, como a prensa de Gutenberg, o telefone de Graham Bell e a lâmpada elétrica de Thomas Edson. É claro que não podemos nos esquecer de todas as inovações que resultaram na transformação digital que vivemos atualmente: computadores, internet, sistemas operacionais e aparelhos móveis mudaram toda a dinâmica da sociedade.

Ao lembrarmos dessas amostras de criatividade, percebemos a aplicação da teoria de Stein, que citamos acima, que fala que o processo criativo resulta em algo completamente novo e útil para a sociedade.

Por isso, podemos ver que a criatividade está em vários aspectos do dia a dia, até mesmo em menor escala. Em uma empresa, por exemplo, ideias criativas podem dar origem a novos produtos e serviços que solucionem problemas do cotidiano dos consumidores.

Até mesmo dentro de casa algum membro da família pode surgir com uma solução inusitada, seja para entreter, seja para resolver uma situação complicada. Tudo isso é criatividade.

Qual a importância da criatividade ao longo da vida?

A criatividade tem sido vista como uma soft skill, ou seja, uma habilidade ligada ao comportamento do indivíduo, que se torna parte de sua personalidade e de sua forma de agir frente às mais diversas situações.

Para que você veja como é importante desenvolver essa competência, queremos mostrar como é possível se beneficiar dela ao longo da vida, tanto na área pessoal quanto na profissional. Veja a seguir as vantagens que separamos.

Ajuda a lidar com desafios

Você provavelmente já ouviu histórias de pessoas que saíram de situações desafiadoras na vida com maestria e até mesmo de forma inesperada com alguma “ideia genial”. A verdade é que pessoas criativas conseguem enxergar problemas por um ângulo diferente.

Com isso, elas podem ganhar resiliência para enfrentar o momento desafiador e ressignificar a situação, gerando assim uma resolução para ela. Obstáculos na vida pessoal, no negócio próprio ou na rotina da empresa acabam sendo superados com mais facilidade por causa da criatividade.

Favorece uma boa atuação profissional

O mercado de trabalho tem se interessado cada vez mais por pessoas consideradas criativas. Atualmente, a inovação é um trunfo para qualquer empresa, afinal, parecemos estar em um momento em que tudo que poderia ser inventado já existe.

O cenário é competitivo, com várias marcas oferecendo produtos e serviços similares. Por isso, conseguir se destacar de alguma forma é essencial. É por meio de ideias criativas que uma empresa consegue apresentar ao público algo que ele nem mesmo sabia que era necessário para sua satisfação.

Não é só para grandes e revolucionárias ideias que as corporações buscam profissionais com traços criativos. Essa habilidade socioemocional passou a ser requisitada pelos recrutadores para todo tipo de vaga.

O motivo é simples: existem pequenos obstáculos surgindo a todo momento no contexto empresarial. O pensamento tradicional muitas vezes acaba levando tempo para solucionar essas questões e sabemos que tempo é um bem precioso no mundo moderno. Assim, quem consegue pensar “fora da caixa” consegue atuar com mais produtividade e inteligência.

Melhora as relações interpessoais

Uma das características de pessoas criativas é a originalidade. São indivíduos que conseguem se mostrar interessantes aos seus próximos e, assim, criar relações interpessoais muito mais fortes. Esse é um benefício interessante da criatividade, que pode passar despercebido a muitos.

Viver em contato com outras pessoas é, na verdade, um exercício constante de adequação. Seja na escola, em família, no trabalho ou em um relacionamento, é preciso saber se posicionar ao mesmo tempo em que dá o espaço necessário para que o outro possa ser ouvido e compreendido.

Somos obrigados a encontrar formas de conciliação frente a brigas e discussões se quisermos manter nossas relações saudáveis. A famosa expressão “jogo de cintura” faz jus ao que estamos falando e é fato que pessoas criativas conseguem usar essa habilidade para construírem relações mais harmônicas.

Aumenta a motivação na área de atuação

Um dos pontos destacados por especialistas em pessoas criativas é sua motivação ao realizar projetos na área em que atuam. Eles fazem com verdadeiro empenho e encontram real satisfação no que fazem.

Esse tipo de característica talvez seja um resultado da facilidade de lidar com os inevitáveis desafios, reunido ao bem-estar gerado por “colocar para fora” as diversas ideias que costumam pipocar na mente de um criativo.

Poder criar algo original, seja uma ideia, um produto ou uma forma de arte, é certamente uma ação de enorme satisfação e empoderamento. Por isso, é importante que pessoas criativas estejam atuando em áreas de interesse.

Por que a criatividade deve ser estimulada desde a infância?

Por mais que muitos pareçam nascer com esse “dom” da criatividade, essa é uma competência que pode ser desenvolvida como outras ao longo da vida. Começar a trabalhar isso ainda na infância é aumentar as chances de formar adultos criativos e prontos para os desafios da vida.

Separamos abaixo alguns motivos para pais e educadores se atentarem para a criatividade das crianças. Veja só.

Melhora o aprendizado

A infância é um momento chave na formação do ser humano. É um tempo de descobertas e aprendizados que vão moldar toda a formação motora, cognitiva, social e emocional. Por isso mesmo, quanto mais vasta for a “bagagem” de conhecimentos e experiências adquiridas nesse período, maior será o potencial criativo da criança e, consequentemente, seu desenvolvimento.

Estimular a criatividade logo na infância vai impactar diretamente em seu desenvolvimento, como, por exemplo, na forma com que ela lida com saberes desconhecidos. A criança passa a ter a curiosidade aguçada e, por isso, se interessa mais pelas novidades durante as aulas.

Curiosos são mais questionadores e, assim, se motivam a participar de debates, fazer perguntas e solucionar questões para descobrir novos conhecimentos. Trata-se de um ciclo que gera aprendizado constante: quanto mais curiosa para aprender, mais bagagem se acumula para a criatividade; quanto mais criatividade, mais desejo de ir além e descobrir mais.

Favorece a vivência das experiências de vida

Crianças em geral têm uma tendência ao pensamento inventivo. É comum vê-las inventando histórias, amigos imaginários e situações simuladas. Todas essas vivências são extremamente ricas e estimulam a criatividade, pois também criam a bagagem que já mencionamos.

Quando a criatividade e essas práticas de imaginação são estimuladas desde cedo, a criança tem o privilégio de crescer com momentos marcantes que trazem alegria e satisfação. Além disso, é a partir desses momentos que se criam memórias para a vida inteira.

Ajuda na superação de problemas

Se engana quem pensa que crianças não passam por desafios. Na verdade, como é um período de conhecimento do mundo e de si mesma, a criança pode sentir que seus problemas são realmente grandes e desafiadores.

Ao estimular a criatividade na infância, também é possível ver uma postura diferenciada frente a essas situações desagradáveis que podem aparecer. Um exemplo da literatura (que também virou série de TV) que ilustra bem essa ideia é a história Anne de Green Gables, da escritora L. M. Montgomery.

Anne, que é uma criança órfã adotada por um casal de irmãos, passa por tristezas, dificuldades e conflitos durante sua infância. No entanto, é surpreendente sua forma de enxergar a vida. Ela cultiva um grande potencial imaginativo e usa sua criatividade para criar seu próprio conto de fadas e transformar diversas situações em positivas.

Quais ações estimulam o desenvolvimento da criatividade na criança?

Sabendo que a criatividade é uma competência a ser estimulada desde a primeira infância, que tal entender quais são as ações que podem ajudar nesse processo? Existem atitudes simples que motivam um pensamento criativo. Confira a seguir quais são elas.

Fazer perguntas provocadoras

Conversar com as crianças é uma atitude essencial não apenas para desenvolverem criatividade, como também facilidade de formar argumentos e se expressar de forma clara. Uma excelente prática nesse sentido é fazer perguntas provocadoras à criança.

O que seria isso? Nada mais do que questionar coisas que geram um pensamento e uma resposta mais elaborada. Em geral, são as crianças que fazem essas perguntas aos adultos, buscando sempre uma explicação mais complexa e ampla, e inverter o jogo também é muito interessante.

Nesse momento, o interlocutor também mostra que valoriza o ponto de vista da criança, o que gera ainda mais estímulo para que ela sempre compartilhe suas ideias, por mais abstratas que possam parecer.

Incentivar a imaginação

Outra boa prática para estimular a criatividade nas crianças é incentivar a imaginação por meio da contação de histórias e realização de atividades como peças ou musicais. É importante que elas consigam imergir em um universo fictício e até mesmo dar segmento a um conto.

Com o tempo, a criança consegue pensar em suas próprias narrativas. Nesse momento, é fundamental continuar estimulando e nunca intervir no pensamento criativo de forma negativa. Exemplificando, insinuar que a história não tem sentido ou que é sem graça acaba retraindo o fluxo de ideias e tornando a criança insegura sobre o que pode ou não falar.

Estimular a imaginação envolve encorajar o pequeno indivíduo a se arriscar na criação sem ter nenhum medo do feedback ou do resultado. Esse é o tipo de impulso que permanece até a vida adulta e ajuda em diversas situações do dia a dia que exigem coragem para tomar decisões e improvisar.

Incentivar o pensamento crítico

Apesar de parecer similar ao primeiro tópico que citamos, incentivar o pensamento crítico vai além de fazer perguntas provocadoras. É também motivar a criança a questionar o que é dito e ir atrás de informações concretas que justifiquem seu argumento.

Muitas vezes, adultos querem que as crianças acreditem em algum fato apenas “por que sim”. No entanto, isso acaba gerando uma passividade negativa ao receber informações ao longo da vida. Na vida adulta, é certo que a ausência de pensamento crítico pode fazer com que alguém perca oportunidades ou mesmo seja ludibriado.

Por isso, é importante deixar que crianças desenvolvam uma lógica para concluir fatos. Incentive a busca por dados concretos, o ouvir os dois lados de uma história e a reflexão sobre alguma ideia proposta.

Oferecer bagagem cultural

Mais um ponto importante que vai impactar o desenvolvimento de um pensamento criativo é a bagagem cultural que é oferecida ao longo da infância. É o acervo de imagens, histórias e experiências que permitirá o surgimento de ideias inovadoras e criativas.

Livros, peças de teatro, músicas, museus e filmes são alguns exemplos de como conteúdos diversos podem passar a fazer parte da memória da criança. Ela expande seus horizontes e passa a ver mais possibilidades para suas próprias criações.

Como a escola pode ajudar no desenvolvimento da criatividade nas crianças?

O autor e educador Ken Robinson falou em uma das conferências TED Talks sobre como o sistema educacional tem lidado com a criatividade — e, eventualmente, apagado ela nos alunos.

Para ele, a criatividade deveria ser tratada com a mesma importância da alfabetização e, muitas vezes, a escola acaba desperdiçando esse potencial criativo dos alunos. Separamos, então, algumas ações que a escola e os educadores podem ter para não abafar essa competência, mas para encorajar o desenvolvimento dela.

Permitir os erros

Um dos pontos relevantes citados por Robinson em sua palestra é que, na maioria das escolas, erros não são aceitos com abertura. A consequência disso são alunos que deixam de se arriscar para não errar.

A ausência da possibilidade de tentativa e erro é uma das grandes matadoras da criatividade, já que essa competência muitas vezes surge do improviso e da necessidade de originalidade que só aparece com situações inesperadas.

Por isso, um dos caminhos para começar a transformar a sala de aula em um espaço mais aberto às ideias criativas é permitir as tentativas e valorizar até mesmo os erros, garantindo um senso de segurança para os alunos.

Apresentar novas possibilidades para o aprendizado

Ampliar os horizontes de possibilidades para os alunos é algo valioso para qualquer idade. Em vez de métodos tradicionais para passar conhecimento, é possível adotar metodologias mais dinâmicas de ensino, que mostrem como é possível aprender de forma criativa.

Música, jogos e dinâmicas de grupo são algumas formas simples de inserir conteúdos da grade em um contexto criativo. A contextualização da matéria com temas atuais, como séries e filmes, passa a ser extremamente atrativo.

Ao trazer a criatividade para a sala de aula e para as disciplinas, os alunos se sentem mais engajados e motivados. A fixação do conteúdo é maior e todo o processo ainda incentiva o pensamento criativo.

Encorajar as crianças no processo criativo

Mais uma forma da escola participar no desenvolvimento da criatividade nas crianças é promover atividades que fomentem o processo criativo. Não basta incentivar que elas pensem fora da caixa, é necessário dar espaço para que coloquem essas ideias criativas em prática.

Peças de teatro, criação de paródias, oficinas de arte e de texto e muitas outras atividades que fogem do tradicional se tornam valiosas para impulsionar a imaginação. Os resultados dessas criações devem ser celebrados e as práticas precisam ser constantemente encorajadas.

Investir em metodologias ativas

Falar de metodologias ativas tem se tornado cada vez mais comum entre os educadores. Isso porque os professores passaram a notar que a participação dos alunos no processo de construção de conhecimento é essencial e traz resultados incríveis.

Mas um outro ponto das metodologias ativas é que elas também contribuem para a criatividade. Isso porque os alunos passam de ouvintes passivos na sala de aula e começam a ter uma performance mais autônoma. Eles são motivados a questionar, cultivar o senso crítico e trocar informações com os colegas e professores.

Apostar na interdisciplinaridade

Uma característica interessante de pessoas criativas é que elas não se interessam apenas por um campo de atuação, mas se aventuram por outras áreas do conhecimento. Essa é a ideia da interdisciplinaridade, que também pode ser trazida para a sala de aula.

Um tipo de conhecimento pode acabar atravessando diferentes disciplinas e cada uma vai agregar maior valor ao assunto. É dessa forma que a bagagem da criança vai ficando mais “pesada” à medida que vai aprendendo. Ela passa a conectar os saberes e ter ideias inovadoras a partir desse acervo mais amplo.

Usar recursos tecnológicos para facilitar a interação

Por fim, não podemos deixar de citar o uso da tecnologia no desenvolvimento da criatividade. Nosso contexto social atual é imerso em tecnologia e ela pode sim ser uma grande aliada dos professores no incentivo ao pensamento criativo.

É possível, por exemplo, usar ferramentas de educação online para favorecer a busca de informações em sala de aula durante as metodologias ativas. Cada aluno pode ir atrás de conteúdos que têm interesse e construir seus saberes de forma individual, usando a criatividade e a lógica para formar um argumento.

Outra possibilidade é o uso de recursos como a gamificação e a realidade virtual. A partir dessas tecnologias, os alunos conseguem aprender de forma criativa e ainda são motivados a observarem os avanços tecnológicos que permitem essas novidades.

Em um contexto atual de pandemia e isolamento, é interessante pensar que a criatividade é essencial para garantir uma adaptação satisfatória de alunos e professores. Pessoas criativas são mais abertas a mudanças e conseguem encarar mais esse desafio usando técnicas inovadoras, como o ensino a distância pelas plataformas digitais, por exemplo.

Esperamos que este texto e o momento atual ajudem você a perceber como é importante que a criatividade seja levada a sério, incentivada e desenvolvida desde a infância. As escolas certamente podem ter um papel central nesse processo, formando indivíduos criativos e inovadores para nossa sociedade.

Para complementar sua leitura, separamos um texto que explica como funciona uma plataforma adaptativa e como ela é essencial para o ensino individualizado. Não deixe de conferir!

Criatividade: entenda a importância do desenvolvimento dessa habilidade