4 dicas de como promover a educação socioemocional nas escolas

4 dicas de como promover a educação socioemocional nas escolas
6 minutos para ler

A formação de cidadãos aptos a lidarem com todas as questões sociais que os cercam vai muito além da aquisição de conhecimento. Por isso, a escola contemporânea investe cada vez mais na educação socioemocional, que trabalha dentro do currículo escolar atividades que ensinam os alunos a lidarem melhor com as suas emoções.

Por meio desse processo de aprendizagem, as instituições de ensino garantem a formação integral dos estudantes, permitindo que se tornem pessoas conscientes das suas responsabilidades e plenamente capazes de exercer um papel mais ativo e relevante na sociedade.

Quer ajudar os seus alunos a desenvolverem o lado socioemocional? Confira, neste post, as melhores dicas para trabalhar o tema na escola!

 O que é educação socioemocional?

A educação socioemocional consiste no desenvolvimento de habilidades sociais e emocionais dos estudantes, o que acontece dentro do contexto das instituições de ensino, com as devidas adequações ao currículo escolar tradicional. Para tanto, é necessário estimular as seguintes competências:

  • autoconhecimento — conhecimento de si e das suas características, bem como lidar com elas;
  • criatividade — capacidade de criar e produzir coisas novas;
  • empatia — capacidade de se colocar no lugar do outro;
  • resiliência — capacidade lidar com problemas e adequar-se às mudanças;
  • pensamento crítico — capacidade de analisar fatos para formar opinião;
  • colaboração — capacidade de cooperar com o outro;
  • inteligência emocional — equilíbrio e ponderação para solucionar conflitos.

No âmbito escolar, o ensino socioemocional está incorporado a todas as disciplinas, fazendo parte de atividades didáticas, sem que se torne uma matéria estudada de forma isolada. Sendo assim, os educadores precisam incluir os princípios socioemocionais no planejamento estratégico das suas aulas.

Como trabalhar a educação socioemocional na escola?

Para oferecer uma formação integral, tanto a instituição de ensino quanto os professores devem utilizar métodos que abram espaço para abordar as questões sociais e, assim, possibilitar aos estudantes reconhecer as suas emoções e ter mais controle sobre elas. Veja como trabalhar as competências socioemocionais na sala de aula.

Adapte o currículo tradicional às competências socioemocionais

Como foi dito anteriormente, o currículo escolar tradicional deve ser adaptado para que trabalhe as competências socioemocionais. Na prática, isso significa que essas habilidades devem ser incluídas em todas as disciplinas por meio de um planejamento voltado para o autoconhecimento, resiliência e empatia, por exemplo.

O alinhamento entre o ensino cognitivo e o ensino socioemocional potencializa a capacidade de aprendizado dos alunos. Isso porque, a combinação contribui para uma formação integral do discente que, mais do que aprender e dominar os conteúdos pedagógicos pertinentes para a sua faixa etária, também entende a importância de ser um cidadão responsável do ponto de vista social.

Utilize materiais atualizados e contextualizados

Outro ponto imprescindível é zelar pelos recursos e infraestruturas que serão utilizados para o desenvolvimento do lado socioemocional da turma. Nesse sentido, o material didático também deve estar alinhado às habilidades e emoções a serem trabalhadas, para que sirva de suporte ao longo do processo de aprendizagem do aluno.

Os materiais atualizados junto à Base Nacional Comum Curricular (BNCC) já consideram e estão alinhados às questões que envolvem tecnologias e ensino socioemocional, tendo em vista que esses dois fatores estão entre os pilares da educação no século XXI.

4 dicas de como promover a educação socioemocional nas escolas

A partir de um material atualizado, contextualizado à realidade das crianças e jovens, o aluno tem mais facilidade para se conectar com o que está sendo ensinado. Ao falar sobre cidadania, por exemplo, os materiais podem mostrar situações comuns no dia a dia do estudante, o que gera identificação e o estimula a se envolver com a atividade e, consequentemente, a adquirir consciência cidadã.

Invista em atividades que fujam do tradicional

Quando a aula é excessivamente expositiva, a tendência é que se torne monótona e dificilmente prenda a atenção do aluno atual, que está acostumado com a tecnologia e todos os estímulos sonoros e visuais que ela os proporciona.

Por isso, o ideal é investir em atividades que fujam do tradicional e tirem o estudante da zona de conforto. A aplicação de atividades que utilizem livros, músicas, filmes e ferramentas diferenciadas ajudam a explorar novos conteúdos e fazer com que os discentes conheçam outras realidades — condição que estimula a empatia e a compreensão de que existem outras vivências socioemocionais que precisam ser validadas e respeitadas.

Em atividades coletivas, em que tenham que interagir com os seus colegas para que seja possível atingir um mesmo objetivo, os alunos expandem o entendimento das suas emoções e de quem está ao seu redor. Essa troca de experiência melhora a inteligência emocional, colaboração, ponderação e construção do pensamento crítico.

Adote a pedagogia afetiva

Em um mundo tecnológico, os métodos de ensino que valorizam o lado humano se destacam. Inclusive, a inserção da educação socioemocional na BNCC deixa clara a importância de formar jovens emocionalmente conscientes. No mercado de trabalho, uma pessoa com uma boa inteligência emocional tem mais facilidade para gerir conflitos e assumir cargos de liderança.

Diante disso, a pedagogia afetiva é uma poderosa metodologia para adotar em suas aulas, visto que considera as interações afetivas como aspecto indispensável para o sucesso do processo de aprendizagem. Nela, cada aluno é percebido como um sujeito com emoções e necessidades únicas, que está em formação e que precisa de um ambiente confortável e saudável para dar asas à sua curiosidade e criatividade.

Qual o papel da escola na educação socioemocional?

A responsabilidade pela formação socioemocional da criança ou adolescente é partilhada pelas famílias e instituição de ensino. A missão da escola é estimular reflexões acerca dos acontecimentos que impactam a sociedade, propondo atividades que tragam soluções e mudem contextos.

Para isso, é necessário que o professor atue como um mediador do conhecimento e implemente estratégias que façam com que o aluno identifique, interprete e compreenda os problemas sociais e, a partir daí, pense em soluções compatíveis. Também, é crucial que o educador questione o estudante, convidando-o a visualizar diferentes cenários, compartilhar experiências e ser ativo na resolução de conflitos.

Os princípios da educação socioemocional são de extrema importância para que a convivência coletiva seja mais harmônica em qualquer ambiente. O desenvolvimento das competências socioemocionais forma pessoas que lidam bem com as suas próprias emoções e com autonomia para tomar decisões bem fundamentadas, além de cidadãos dispostos a construir uma sociedade mais justa e igualitária.

Uma das melhores maneiras de melhorar a performance dos alunos é entendendo as suas necessidades específicas. Descubra o que é e como aplicar a aprendizagem personalizada na escola!