Como ajudar alunos com distúrbios de aprendizagem?

distúrbios de aprendizagem
6 minutos para ler

Lidar com alunos que apresentam distúrbios de aprendizagem em sala de aula é uma realidade cada vez mais comum para os professores. Por isso, é fundamental conhecer algumas metodologias que contribuam para que o desenvolvimento escolar não saia prejudicado.

Além disso, também é preciso entender a origem do problema, investigando os motivos e o que pode ser feito para superar a situação. Assim, o educador deve encontrar as melhores abordagens, compreendendo que cada estudante tem um ritmo próprio para aprender.

Separamos, a seguir, algumas estratégias que facilitam o ensino e lidam da melhor forma possível com os distúrbios de aprendizagem. Continue a leitura e confira!

Os desafios do distúrbio de aprendizagem

De modo geral, um distúrbio de aprendizagem caracteriza-se por transtornos relacionados à capacidade cognitiva. Isso corresponde, por exemplo, quando um aluno apresenta um desempenho muito abaixo do esperado, prejudicando como um todo o seu desenvolvimento escolar.

Muitas vezes, as dificuldades ocorrem devido a uma disfunção neurológica, ou seja, quando alguma área do cérebro não funciona corretamente. Isso pode ser percebido por meio de alguns sintomas, como falta de atenção, ansiedade, agitação frequente, entre outros.

Diversos são os fatores que podem interferir no bom andamento escolar, por isso os professores devem se manter atentos a qualquer tipo de sinal que represente riscos para o processo de aprendizagem. O bullying, por exemplo, é uma situação grave que exige a atenção redobrada da escola, uma vez que a prática pode causar danos físicos e psicológicos à vítima.

Entretanto, muitos são os casos de estudantes diagnosticados com distúrbios de desenvolvimento. Os mais conhecidos são a dislexia, disgrafia, dislalia, disortografia e o famoso Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Isso não quer dizer, necessariamente, que o indivíduo é incapaz de aprender, mas sim de que é preciso adotar metodologias específicas para auxiliar na superação das limitações cognitivas.

O desafio é justamente saber como suprir as necessidades e desenvolver estratégias compensatórias para os alunos. Entretanto, antes de aplicar qualquer método pedagógico, é fundamental contar com uma avaliação profissional, compreendendo como intervir em cada caso.

As principais estratégias para facilitar o ensino

A escola tem um papel imprescindível em relação às dificuldades de aprendizagem. O professor, que tem um contato mais próximo e diário com a turma, deve estar atento aos sinais percebidos em sala de aula. Ele pode ajudar identificando queixas e reclamações ou, até mesmo, apontando os casos de baixa no desempenho.

O ideal é que a instituição escolar se esforce para integrar os estudantes ao restante da comunidade de ensino. Isso porque os sintomas podem se agravar, provocando desmotivação e aumentando a frustração. Além disso, é interessante adaptar alternativas metodológicas, como práticas ou instrumentos pedagógicos, para contornar a situação de forma otimizada.

A seguir, confira 5 ações que a escola pode tomar para garantir bons resultados e auxiliar os alunos que sofrem com os distúrbios de aprendizagem.

1. Acompanhamento psicológico

O primeiro passo é analisar, como um todo, como anda a relação do aluno no ambiente familiar e escolar. Para isso, é fundamental contar com um acompanhamento psicológico, uma vez que os profissionais da área sabem quais são as melhores técnicas para contornar os impactos dos distúrbios.

Por meio do diagnóstico, é possível planejar um tratamento adequado, estabelecendo os meios e as soluções mais eficientes para impedir que os transtornos continuem a ameaçar o desempenho estudantil. A escola também pode contar com uma equipe multidisciplinar para lidar com essas e outras situações que dizem respeito ao desenvolvimento e rendimento em sala de aula.

2. Criação de um plano de aula específico

Certos distúrbios de aprendizagem não podem ser curados, entretanto a escola deve disponibilizar um atendimento especializado para que o estudante não seja prejudicado. Com isso, faz-se necessário desenvolver metodologias adequadas para que o indivíduo progrida em sua vida pessoal e escolar.

Nesse caso, o trabalho docente pode contribuir criando um plano de aula específico e direcionado para superar as dificuldades pedagógicas. Podem ser inseridas atividades como jogos e exercícios, que estimulam as habilidades cognitivas. Para isso, é preciso organizar e preparar os alunos previamente, resumindo como se darão as práticas e apresentando as expectativas de aprendizagem e de comportamento esperados.

3. Proximidade com a família do aluno

Outro ponto é analisar a realidade familiar e aproximar-se dos pais e responsáveis pelo estudante. Para isso, é preciso conhecer o posicionamento e a compreensão que a família tem sobre a situação, uma vez que essa informação pode ser decisiva para enfrentar as dificuldades.

Muitas vezes, os pais se preocupam e demonstram vontade de ajudar, mas não sabem como fazer isso da melhor forma. A escola, nesse sentido, deve servir como um meio de orientação, a fim de colaborar e exercer o apoio pedagógico necessário. Uma forma de fazer isso é a direção oferecer atendimento psicológico para a família, com o intuito de auxiliar diretamente sobre os distúrbios de aprendizagem.

4. Especialização por parte dos professores

Para entender como lidar com as dificuldades em sala de aula, os professores devem ser capacitados por meio de cursos que oferecem conhecimentos sobre os principais tipos de distúrbios. São analisados inúmeros fatores e aspectos, tanto familiares quanto emocionais, que interferem no andamento do processo de aprendizagem.

Assim, é possível compreender quais são as características, formas de tratamento e possíveis intervenções que podem ser feitas pelos educadores. Isso contribui para identificar, de forma mais adequada, os problemas recorrentes na escola e, também, para orientar os alunos em relação às ações que podem ser tomadas no contexto educativo.

5. Utilização de tecnologias

Existem diversas tecnologias que ajudam a direção escolar a lidar com os distúrbios de aprendizagem. Uma delas é a plataforma adaptativa de ensino, que identifica, por meio de um diagnóstico, quais são as principais dificuldades dos alunos em uma determinada disciplina ou conteúdo.

Assim, são oferecidos atividades e exercícios voltados para os diferentes níveis de dificuldade, sempre respeitando o ritmo e as necessidades de cada estudante. Com isso, ainda pode-se avaliar o processo de ensino e entender se ele está sendo ou não efetivo.

É inegável que os distúrbios de aprendizagem fazem parte da realidade escolar. No entanto, por meio de técnicas e métodos inovadores, a escola pode contribuir positivamente para transformar esse difícil contexto. Lembre-se de que é fundamental contar com o auxílio da família nesse momento, a fim de evitar, ao máximo, que o aluno seja afetado.

Gostou do nosso conteúdo? Então, aproveite a visita e entenda também como otimizar a gestão pedagógica da sua escola. Até a próxima!

Como ajudar alunos com distúrbios de aprendizagem?Powered by Rock Convert

Deixe uma resposta

onze + vinte =

[eBook Gratuito]
[eBook Gratuito]