Educação 4.0

Os avanços tecnológicos estão em todos os aspectos da sociedade. Vivenciamos a quarta revolução industrial, em que a conectividade é a palavra de ordem. Inteligência artificial, robôs e outras evoluções do mundo digital representam essa nova era, na qual o ensino não poderia ficar de fora — bem-vindo à educação 4.0!

O novo modelo de aprendizagem já começa a se instalar nas escolas que enxergam as necessidades educacionais da nova geração — os chamados nativos digitais. É preciso preparar esses alunos para essas mudanças, com novas habilidades para acompanhar a velocidade da inovação.

Neste post, vamos explicar o que é a educação 4.0, como esse conceito modifica a forma de aprendizagem atual, os desafios da tendência e maneiras de promover esse modelo na sua escola. Confira!

O que é educação 4.0?

O conceito vem atender as adaptações que precisam ocorrer na aprendizagem da era atual, conhecida como quarta revolução industrial (indústria 4.0), que marca a inovação na economia, no trabalho e na indústria. É a tecnologia que se faz presente na sociedade, com a conectividade global, novas mídias, inteligência artificial, entre outros avanços.

Assim, não dá para manter um modelo de ensino defasado — é imperativo trabalhar novos conhecimentos e habilidades com os alunos. Desse modo, eles terão condições de se desenvolver nesse mundo tecnológico e estarão prontos para assumir as novas profissões do futuro.

A educação 4.0 é baseada no modelo “learning by doing”, tradução para “aprender fazendo”. A escola deve trabalhar em projetos, resoluções de problemas e outras atividades em que o aluno seja o protagonista e tenha a liberdade de fazer experiências.

Como essa tendência modifica o modo de aprendizagem atual?

Essa revolução na educação ainda não conta com um modelo pronto. É uma tendência em criação e, dessa forma, é importante pensar agora em novas ferramentas e metodologias ativas que venham atender a nova geração.

O modelo em que o professor é o detentor do conhecimento e os estudantes, simplesmente ouvintes, não serve mais. É fundamental preparar os alunos para o futuro, investindo em atividades interdisciplinares, habilidades digitais e em projetos do tipo “mão na massa”.

Temos que mudar a ideia de que o aluno precisa saber sobre tudo, ou seja, é um acumulador de conhecimento — e, sim, guiar sua formação direcionando para determinadas competências que serão essenciais para o seu desenvolvimento.

Estamos falando de professores que vão conduzir a turma e prepará-la para uma postura autodidata, aprendizagem criativa e para a troca de experiências de forma colaborativa.

Além disso, a escola passa a ter o papel de orientar na gestão e pensamento crítico a respeito de tantas informações que o aluno tem à disposição para que ele possa produzir, de fato, o conhecimento.

Quais os principais desafios desse modelo?

Em primeiro lugar, o maior desafio é que grande parte das escolas brasileiras não está preparada para essa mudança de paradigma. Isso porque, quando se fala em tecnologia, não é simplesmente permitir que os alunos levem seus smartphones à sala de aula.

É necessário utilizar esses recursos de forma inteligente, para envolver os estudantes no processo de aprendizado com algo que já é tão familiar para eles. Outro ponto é preparar e engajar os professores para a educação 4.0, com treinamentos e até mudanças nos currículos das faculdades de Pedagogia.

O conceito ainda está em desenvolvimento, porém as escolas podem tentar adaptar a tecnologia já existente para promover um modo eficiente de aprendizagem para a nova geração.

Como promover a educação 4.0 na sua escola?

Algumas plataformas de ensino no Brasil já estão preparadas para essa nova realidade e propõem um modelo inovador para as escolas. Confira alguns aspectos para promover a educação 4.0 na prática na sua instituição de ensino:

Uso da tecnologia

Os recursos tecnológicos, quando bem direcionados, vão promover o engajamento dos alunos e uma nova forma ensinar, em que o aprendizado seja mais dinâmico.

Assim, além dos livros didáticos, é possível apostar em videoaulas, sites, monitoria online e até uso de jogos virtuais para apresentar o conteúdo — metodologia conhecida como gamificação.

A tecnologia também pode ajudar os professores, com relatórios de aprendizagem da turma e de cada aluno, ou seja, uma análise de desempenho personalizada. Dessa maneira, o profissional tem mais clareza sobre as potencialidades e necessidades de cada um, consegue fazer um trabalho mais efetivo e se torna parceiro do estudante.

Protagonismo do aluno

O aluno tem um novo papel na educação 4.0 — deixa de ser apenas ouvinte e passa a ser protagonista do conhecimento.

Nesse sentido, os professores devem incentivar essa autonomia com atividades em que o estudante faça, por exemplo, a pesquisa do tema da disciplina em casa (com o uso da tecnologia). A sala de aula torna-se, portanto, o espaço para ele trazer suas impressões e questionamentos sobre o assunto.

Estamos falando de uma metodologia na educação chamada de aulas invertidas — em que a escola se torna o ambiente para discussão, reflexão e realização de exercícios daquilo que o aluno já estudou em casa.

Esse conceito aumenta a participação e rendimento da turma, incentiva a aprendizagem colaborativa, além de respeitar o ritmo de aprendizagem de cada aluno.

Desenvolvimento de habilidades socioemocionais

O mundo já não combina mais com aquele indivíduo que tira 10 em todas as matérias, mas tem dificuldade de expor suas ideias ou fazer um projeto em grupo. Por isso, na educação 4.0 é importante também que a escola desenvolva as habilidades socioemocionais dos alunos.

São atividades voltadas para o autoconhecimento, preparando o estudante para enfrentar os desafios que vai encontrar na vida pessoal e profissional. Dessa forma, é importante que a escola promova:

  • colaboração;
  • proatividade;
  • pensamento crítico;
  • comunicação;
  • empatia;
  • criatividade.

A educação 4.0 não é um conceito meramente teórico — já pode ser aplicado, aos poucos, pelas escolas, a fim de que elas modifiquem os processos de aprendizagem e se adaptem às novas necessidades dos alunos. Criar, pesquisar, interagir e colaborar serão iniciativas fundamentais para o sucesso do ensino daqui em diante.

Falando em tendências no ambiente escolar, conheça também os principais desafios da educação do século XXI!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Shares
Share This