Confira os impactos das fake news na escola e como conscientizar os discentes

fake news na escola
7 minutos para ler

O alto poder de disseminação de notícias falsas se tornou uma grande preocupação para a sociedade. Assim como nas demais áreas, as fake news na escola também podem ser extremamente prejudiciais. Diariamente, crianças e adolescentes têm acesso a um grande volume de informações pela internet, e a falta de discernimento para saber o que é verdadeiro ou falso pode levá-los a diversos erros.

De acordo com um estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, uma informação falsa tem 70% mais chances de ser espalhada do que uma notícia verdadeira. Diante desse dado alarmante, é essencial que as escolas adotem medidas que ajudem os alunos a desenvolver o senso crítico, a fim de evitar a transmissão de fake news.

A divulgação de informações equivocadas sobre o Enem, por exemplo, pode gerar várias consequências, como ansiedade, descrença e até mesmo comportamentos inadequados no dia do exame. Quer saber como lidar com esse problema? Acompanhe, a seguir, as melhores práticas para conscientizar os estudantes sobre as fake news!

Mostre métodos de apuração

A apuração consiste no processo de analisar a veracidade de uma notícia. Para tanto, é necessário ensinar os discentes as etapas para apurar se um conteúdo é verdadeiro. Veja quais são elas!

Verificar a fonte, o site e o autor do conteúdo

Uma tática comum dos sites que publicam fake news é usar nomes e endereços parecidos com o de sites que têm credibilidade no mercado. Assim sendo, é preciso conferir se o endereço do site é confiável e se os demais conteúdos publicados são duvidosos ou não e quem é o autor. É importante checar se a página não é um site de piadas, que pode utilizar o humor para ironizar ou exacerbar fatos.

Também é indicado visualizar a estrutura do texto, pois conteúdos com informações falsas costumam apresentar erros de formatação, de português e uso exagerado de pontuação. Recomende que o aluno leia todo o conteúdo, e não só o título e intertítulos, já que muitas vezes as chamadas das fake news não condizem com o assunto tratado em sua estrutura.

Prestar atenção na data de publicação

Outra característica recorre das informações falsas é resgatar notícias antigas e relacioná-las com acontecimento atuais. Nesse sentido, os alunos devem sempre prestar atenção à data de publicação da matéria, analisando se corresponde à atualidade.

Pesquisar em sites com credibilidade

Ao receber uma notícia bombástica, é fundamental que o adolescente pesquise sobre o assunto em sites com credibilidade. Caso a notícia não apareça nessas páginas, é sinal de que se trata de uma informação falsa.

Explique técnicas de manipulação de imagens e notícias

Em uma época de disseminação desenfreada de fake news, o ditado ‘’uma imagem vale mais que mil palavras’’ deve ser repensado. Isso porque pessoas mal-intencionadas distorcem imagens por meio de ângulos ou photoshop para transmitir uma mensagem equivocada.

Os educadores devem exibir aos alunos imagens manipuladas e compará-las com as imagens verdadeiras, elencando os pontos que as diferenciam. Eles devem falar sobre como uma foto pode ser manipulada a partir de editores de imagem e quais são os indícios de que uma imagem foi modificada.

Com esse conhecimento, os discentes terão mais facilidade para reconhecer imagens verdadeiras e falsas, o que faz com que tenham mais cautela na hora de compartilhá-las nas redes sociais.

Estimule o senso crítico

O senso crítico é definido como a capacidade que o ser humano tem de analisar, refletir e buscar informações antes de tomar uma decisão. Para estimular o senso crítico dos alunos, é preciso discutir com eles qual é a natureza da verdade. Afinal, transmitir informações falsas para influenciar a percepção dos indivíduos é má-fé e crime. Porém, as interpretações a respeito da informação correta são diferentes, o que pode dar margem para várias verdades.

Para compreender cada interpretação da verdade há que se discutir o contexto, considerando as bases e narrativas que a sustentam, como econômica, política e religiosa. Esse tipo de discussão deve ser permanente no âmbito escolar. Desse modo, todo o conteúdo introduzido nas aulas precisa ser contextualizado, evidenciando quem o escreveu e quais passos foram dados para chegar a uma determinada conclusão.

Em decorrência do avanço do volume de desinformações que circulam na internet, é crucial que a escola cumpra o seu papel de ensinar a pensar, fazendo com que o aluno tenha capacidade para identificar conteúdos verdadeiros e mentirosos e, a partir daí, desenvolva a sua própria opinião sobre os temas.

Ensine a diferenciar propagandas e notícias

A dificuldade para distinguir uma propaganda de uma notícia pode fazer com que os estudantes façam interpretações baseadas em informações inverídicas. Por isso, é altamente recomendado trabalhar junto aos discentes quais são as diferenças entre notícias e propagandas.

Reúna materiais publicados na internet e exponha a linguagem publicitária dos textos criados com o intuito de divulgar um produto ou serviço, apontando a adjetivação normalmente empregada nesse tipo de conteúdo. Em seguida, exiba notícias e evidencie as características da linguagem jornalística, que procura se ater aos fatos.

Ajude a identificar fontes confiáveis

O que não falta na internet são sites repletos de notícias, mas nem todos são confiáveis — inclusive, há aqueles que são criados especificamente para espalhar fake news. Se não souber identificar essas plataformas, os estudantes podem utilizá-las como referências para a realização de trabalhos escolares, por exemplo.

Sendo assim, as crianças e adolescentes devem estar preparados para reconhecer fontes confiáveis na internet. Para isso, ensine-os a criar o hábito de pesquisar o mesmo conteúdo em sites diferentes, dando preferência para aqueles que são mais bem conceituados, checar a autoria do texto ou imagem, bem como buscar o contraponto da notícia. Se uma notícia expressa exatamente aquilo que alguém pensa, ela pode ter sido criada para confirmar uma opinião. Os textos noticiosos sempre trazem os dois lados de um fato.

As fake news na escola podem ocasionar um estrago enorme, pois causam desinformação entre os alunos, fazendo com que acreditem em conteúdos mentirosos, que alteram a sua percepção do mundo — condição que afeta o seu desenvolvimento não só como estudantes, mas também como indivíduos.

Tratar esse assunto nas instituições de ensino é imprescindível para que os discentes contribuam para com uma sociedade com mais pensamento crítico e discernimento suficientes para não acreditar cegamente em figuras de autoridade.

Quer se aprofundar no assunto e entender como a tecnologia pode ser utilizada de maneira a preservar o aprendizado individual e, ao mesmo tempo, auxiliar na construção de um coletivo incluso e acolhedor? Clique aqui e acesse o nosso e-book sobre Tecnologia Humanizada.

Confira os impactos das fake news na escola e como conscientizar os discentes