Família e escola: por que é importante eles andarem juntos?

família e escola
12 minutos para ler

Com o intuito de melhorar a experiência educacional dos alunos, o trabalho em conjunto entre família e escola é fundamental. Quando não há interação, surgem dificuldades para a implementação de um projeto pedagógico que traga resultados efetivos. Assim, ambas as partes devem se unir e criar metas simultâneas, compartilhando princípios semelhantes para conseguirem trilhar um caminho de sucesso.

Essa atitude de parceria proporcionará mais segurança e qualidade na aprendizagem dos estudantes, fazendo com que eles se tornem bons cidadãos, capazes de enfrentar os desafios da sociedade. Mas, apesar de ser importante, não é uma tarefa fácil, pois algumas questões precisam ser trabalhadas.

A seguir, explicaremos melhor sobre a importância de promover essa união e como uma escola pode fazer isso.

Qual é a importância da família na formação da criança?

Conviver, aprender e receber carinho dos pais é de grande valia na garantia de uma formação saudável às crianças, pois faz com que elas tenham boas referências para toda a vida.

O apoio da família é imprescindível para que o jovem possa desenvolver autoestima e confiança, adquirindo habilidades para saber lidar com suas emoções, como alegria, frustração e tristeza, além de enfrentar os desafios e medos e assumir responsabilidades.

Sem falar que os pais também são responsáveis por promover estímulos para o crescimento saudável, a socialização, a comunicação, a cidadania, a segurança e a aprendizagem da criança e do adolescente.

A partir de uma convivência de qualidade, o indivíduo tende a se espelhar nos familiares, seguindo os seus exemplos em todas os aspectos da vida. Acompanhe quais são as habilidades que a família deve desenvolver com a criança.

Inteligência emocional

A falta de controle emocional pode causar diversos problemas de socialização na vida adulta. Por isso, é recomendado trazer práticas para a sala de aula que contribuam com desenvolvimento da inteligência emocional das crianças.

Nesse contexto, é necessário ajudar os pequenos a educarem suas emoções. Da mesma maneira que a escola se preocupa com o bem-estar físico dos alunos, é preciso levar em consideração o seu bem-estar emocional, analisando como eles são capazes de proteger as suas emoções e se relacionar com as pessoas.

Assim sendo, é essencial que as famílias invistam na saúde emocional de seus filhos, dando abertura para eles poderem conversar sobre qualquer assunto. Isso contribui para prevenir depressão, ansiedade, fobias, estresse e agressividade.

Também é crucial entender que as crianças e os adolescentes precisam vivenciar cada etapa da vida. Naturalmente, elas têm a necessidade de correr riscos, inventar, frustrar-se e brincar.

Ainda é válido promover eventos com atividades que exijam a participação dos responsáveis. Isso pode parecer algo muito simples, porém é bastante significativo, pois auxilia no fortalecimento dos laços entre alunos, pais e escola. Com isso, a família se mostra atenta e disponível, favorecendo o desenvolvimento da criança, tanto no aspecto físico quanto emocional e intelectual.

Empatia

A empatia é definida como a capacidade que o ser humano tem de se colocar no lugar do outro em determinada situação — habilidade indispensável para conseguir enxergar o próximo sem preconceitos e julgamentos.

No contexto escolar, a empatia é de extrema relevância para a criança saber lidar com o diferente, estando disposta a acolher os colegas que se diferem em termos físicos ou culturais, por exemplo.

Antes de o aluno conseguir compreender o que a outra pessoa está sentindo, ele deve saber identificar, nomear e expressar suas próprias emoções, além de ficar consciente das consequências de suas decisões e ações.

Diante de uma situação conflituosa, você pode perguntar ao estudante o porquê de ele ter agido de determinada forma e o que sentiu ou pensou para agir assim. Estimule a criança a imaginar o sentimento do outro, trazendo à tona possibilidades, mas incentivando ela mesma a solucionar o problema. Além disso, é importante sempre dialogar com os pais.

Trabalho em equipe

Ter senso coletivo e de cooperação são características fundamentais para as pessoas que desejam conviver bem em qualquer comunidade. Na fase adulta, essa habilidade é relevante principalmente no ambiente de trabalho.

Nos primeiros anos da escola, a criança já começa a trabalhar em grupo, mesmo que seja em atividades de jogos. Em situações como essas, ela pode assumir a liderança ou se sentir confortável em seguir ordens, mas o importante é saber cooperar para o bem coletivo. Nesse caso, o professor pode distribuir funções para que cada aluno tenha uma responsabilidade a ser cumprida.

O estimulo à cooperação em casa pode ser dado de várias formas, desde a aplicação de jogos coletivos entre os familiares até a determinação de regras para cada membro da família para manter a organização do lar. Crianças pequenas podem aprender a guardar seus brinquedos para manterem a casa arrumada, por exemplo.

Também é indicado verbalizar sobre como o trabalho em equipe contribui para que tudo fique melhor, como a possibilidade de concluir uma atividade em menos tempo, sem sobrecarregar uma única pessoa.

 Obediência às regras

Geralmente, as crianças que não conseguem seguir regras e acabam sendo conhecidas pelo seu mau comportamento, além de precisarem refazer diversas vezes as tarefas solicitadas, pois não as fazem dentro dos padrões exigidos.

Para que o pequeno aprenda a obedecer às regras de casa e da escola, os pais e professores também devem orientá-lo corretamente. Dar mais de uma direção por vez é errado. Em vez de falar ‘’pegue uma folha de papel, faça um desenho e pinte-o’’, o ideal é esperar a criança pegar a folha de papel para depois dar o próximo comando. O exemplo é simples, mas serve para muitas situações.

Após dar uma instrução para o seu aluno, questione o que ele deve fazer e o aguarde explicar o que ouviu de você. É perfeitamente normal as crianças menores se distraírem, comportarem-se de forma impulsiva e esquecerem de suas obrigações. Entretanto, é necessário olhar para cada erro como uma oportunidade de ajudá-las a aperfeiçoar as habilidades delas.

Família e escola: por que é importante eles andarem juntos?

Respeito ao espaço do outro

Existem crianças que são muito tímidas e evitam o contato com quem não seja próximo, mas também há aquelas que buscam os outros o tempo todo, sem se preocupar se estão sendo inconvenientes ou não.

Assim sendo, é necessário ensinar a criança a respeitar o espaço de outras pessoas. Em casa, uma boa dica é criar regras domésticas como ‘’não pegue o que não é seu sem pedir’’ ou ‘’bata na porta antes de abrir’’.

Na escola, caso o estudante pegue coisas das mãos das pessoas sem perguntar ou empurre alguém quando está impaciente, o professor deve determinar consequências para esse tipo de comportamento. Os pais precisam ser informados sobre os acontecimentos para que possam conversar com os seus filhos em casa e reforçar a necessidade de respeitar colegas e professores.

Quando trabalhadas em parceria entre a família e a escola, essas habilidades ajudam a formar seres humanos, filhos e alunos com valores e mais conscientes, respeitando a comunidades em que vivem. Isso resulta em bons relacionamentos com os colegas e ótimo desempenho escolar.

Por que é importante família e escola andarem juntas?

Muitos educadores têm dificuldade de lidar com os conflitos dos alunos, pois não entendem o que acontece em suas vidas fora da escola. De igual modo, alguns pais não conseguem contribuir para a educação dos filhos porque não compreendem a vivência deles no ambiente escolar. Por conta disso, é importante revelar os benefícios da parceria entre família e escola. Assim, todos podem se empenhar nessa tarefa. Vejamos a seguir.

Mantém as responsabilidades alinhadas

Em alguns ambientes escolares, há certa discordância entre pais e professores quanto às responsabilidades no processo educacional. As escolas cobram o empenho das famílias que, por sua vez, culpam os colégios pelo baixo desempenho dos alunos.

Por isso, é importante que os responsáveis façam parte do processo pedagógico, compreendendo como as atividades são desenvolvidas. Dessa maneira, ambos os lados conseguem reconhecer seus deveres e se empenharem em cumpri-los.

Minimiza o impacto dos conflitos

Quando família e escola decidem trabalhar em conjunto, a comunicação flui com mais facilidade, criando um trabalho consistente antes dos problemas surgirem. Isso é fundamental, porque, além de resolver os conflitos existentes, diminui o impacto daqueles que ainda poderão ocorrer.

Agrega valor às famílias

As famílias podem sentir certo desconforto se a escola as chamarem apenas para falar sobre o comportamento dos filhos. Desse modo, o colégio deve estabelecer um vínculo de parceria com os responsáveis, permitindo que os dois lados possam discutir não somente sobre resultados e comportamento, mas também outras ideias responsáveis por agregar valor à família.

Gera valor para a sociedade

A educação se estende por toda a vida. Por isso, uma escola que trabalha em parceria com as famílias, forma cidadãos capacitados não apenas com conhecimento, mas com habilidades socioemocionais para enfrentar os desafios e, assim, contribuir para o desenvolvimento da sociedade.

Melhora os resultados dos alunos

Com metas e responsabilidades alinhadas, tanto a família quanto a escola estarão mais dispostas a ajudar os alunos nos ambientes escolar, familiar e social. A consequência disso é que o rendimento deles aumentará, tendo todo esse empenho a favor de sua educação. Isso os deixarão mais engajados com as atividades pedagógicas.

Como promover a parceria entre família e escola?

Para que família e escola possam trabalhar juntas, é preciso planejar algumas estratégias e adotar novas práticas no tratamento dos estudantes e familiares, com o intuito de esclarecer a importância dessa parceria para todos. Vejamos a seguir algumas medidas para adotar.

Convide a família para o espaço escolar

É preciso agendar eventos além das reuniões comuns, permitindo que os responsáveis possam se familiarizar mais com o ambiente escolar e entender suas atividades. Marcar encontros em horários acessíveis, promover festividades e outras comemorações podem ser interessantes para eles.

Apresente os colaboradores da escola

Além disso, o colégio precisa apresentar gestores, educadores e demais colaboradores às famílias. Assim, elas terão ciência da qualidade dos profissionais que serão responsáveis por contribuir com o desenvolvimento de seus filhos. Dessa forma, terão mais respeito e admiração pela escola.

Revele o plano pedagógico às famílias

Ao revelar o plano de ensino aos responsáveis, eles estarão cientes da qualidade dos conteúdos e daquilo que o colégio deseja proporcionar aos alunos. Com isso, a família saberá quais são os assuntos trabalhados em sala e as habilidades a serem desenvolvidas.

Incentive os responsáveis a opinar sobre os processos

A família também precisa ser escutada para que o colégio entenda o contexto no qual o estudante está inserido e descubra como ajudá-lo. Tanto educadores quanto gestores precisam ouvir os pais e utilizar as informações objetivando dar mais sentido à educação dos alunos. Com um diálogo mais aberto, o ambiente escolar se torna mais acolhedor e adequado à realidade da comunidade.

Desenvolva atividades culturais e esportivas

Atividades de lazer e descontração estimulam o interesse das crianças e dos adolescentes. Sendo assim, a escola precisa aproveitar essas oportunidades para se aproximar dos alunos e da família. Isso fará com que ambos deixem de olhar o ambiente escolar como um local tenso e sem alegria, passando a considerá-lo como um lugar mais prazeroso.

Utilize ferramentas digitais para integrar a família

Nem sempre os responsáveis podem estar presentes em reuniões e acompanhar o trabalho escolar de perto. Pensando nisso, é necessário assegurar que eles possam acessar o desempenho dos alunos, eventos e notícias da escola por meio da internet. Assim, a família estará ciente de todos os acontecimentos.

Desenvolva atividades para casa

Além de eventos escolares, é preciso promover atividades que permitam a participação da família em casa também, pois a educação não se restringe aos muros do colégio. Para isso, é possível incentivar atividades como: leituras, pesquisas, atividades extracurriculares, questionários e outras tarefas.

Promova projetos sociais

Ao desenvolver projetos sociais, além de estreitar os laços com familiares e alunos, a escola mostrará sua preocupação com a comunidade local. Isso permite que os estudantes coloquem seus conhecimentos em prática, gerando valor para a sociedade.

Incentive a família a compartilhar conhecimento

O colégio pode permitir que os pais compartilhem seus conhecimentos com os alunos por meio de palestras. Como a família já está inserida no mercado de trabalho, externar essas experiências com os demais alunos enriquecerá o pensamento crítico e criativo dos jovens. Essa atitude também pode deixar as famílias mais motivadas a contribuir com a educação porque se sentirão úteis no processo.

A cooperação e o envolvimento das famílias fazem uma grande diferença em como as crianças e os adolescentes se desenvolvem, por isso é primordial estreitar os laços entre família e escola. Mas, para desenvolver essas ideias, é fundamental investir na construção de uma relação sólida entre os envolvidos. E tudo isso vai favorecer a educação, engajando os membros da comunidade na aprendizagem e trazendo resultados mais significativos.

Se este texto foi interessante para você, queremos incentivar que você o compartilhe em suas redes sociais. Afinal, outros profissionais da educação podem se beneficiar dessas dicas e perspectivas.