Formação dos professores : professora tirando dúvida de alunos

Para se adequar às demandas da sociedade atual, a educação brasileira vem passando por contínuas transformações que impactam diretamente na formação de professores. Está sendo construído um novo perfil de docente: multifacetário e aberto para o aprendizado contínuo.

Mas essas são apenas algumas das características do professor do século XXI. A inserção da tecnologia no ensino, assim como significativas melhorias na base curricular ajudam a construir a ideia de um profissional que, para se destacar, deve ser capaz de atender a uma realidade que requer conhecimentos que vão muito além do saber teórico.

O Brasil tem mais de 2,5 milhões de educadores — cerca de 340 mil em atuação. Entenda, neste post, como a formação centrada em atualizações contínuas e na humanização do ensino, entre outros fatores, está construindo um novo retrato de educador!

O novo perfil de ensino: Educação 4.0 e BNCC

Em tempos de transformação digital, as habilidades desenvolvidas pelos professores e aplicadas no ensino precisaram ser repensadas. Uma nova realidade para o mercado de trabalho e as alterações na sociedade fizeram com que fosse necessário um viés remodelado para educação. Entenda a seguir.

Educação 4.0

A Educação 4.0, como reflexo da Indústria 4.0 — que tem foco na automatização dos processos e no uso da inteligência artificial — está agregando ao ensino algumas peculiaridades do mercado de trabalho atual, diretamente afetado pelas novas formas de interação do homem com as máquinas.

Baseada no “learning by doing”, ou seja, “aprenda fazendo”, essa educação 4.0 traz a necessidade de que a escola tenha uma abordagem focada no ensino prático e não mais apenas no teórico. Dessa forma, o aluno é colocado como protagonista, em um processo constante de interação com as atividades propostas.

Essa é uma realidade que muda o perfil do educador, que deixa de ser o centro e passa a atuar como um intermediador, que engaja os alunos na rotina do conhecimento e permite um aprendizado proativo. Para tal, o uso da tecnologia na educação — e o desenvolvimento das habilidades do professor (ampliadas para além do conhecimento teórico) — são desafios a serem superados para que o aprender seja efetivo.

No entanto, não foi apenas a Educação 4.0 que mudou o perfil da formação dos professores.

BNCC

Outra alteração importante na educação no país foi a criação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Homologada em dezembro de 2017, ela engloba competências e aprendizagens essenciais que devem ser desenvolvidas pelo aluno na educação básica — educação infantil, ensino fundamental e ensino médio. São propósitos que direcionam o ensino no Brasil, como proposta pedagógica tanto para as escolas públicas, quanto privadas.

Dessa forma, surgiram as chamadas metodologias ativas de ensino, que incitam a participação e a interação do aluno no processo de aprendizagem. São utilizados em sala de aula, agora, recursos como debates, aulas invertidas e estudos de caso.

Esse novo padrão de ensino, baseado tanto na Educação 4.0, quanto na BNCC, requer também um novo perfil de professor. Mas como isso acontece e quais são as características do educador neste novo cenário? Falaremos sobre isso a partir de agora.
Gestão Escolar Saudável

Formação de professores no Brasil: realidade e desafios

“Educar é semear com sabedoria e colher com paciência”, já dizia o pesquisador Augusto Cury. Mas essas características devem ser aliadas a outros pontos para a educação eficiente, que traz resultados duradouros que podem ser percebidos na vida prática do aluno, após sua passagem pelo ambiente escolar.

Por isso, as escolas e os professores devem abraçar uma série de características que desafiam um padrão de ensino tradicional, existente na grande maioria das instituições de ensino. Alguns dos desafios para tal são:

  • compreensão das necessidades de cada aluno;
  • tempo escasso para o aprendizado continuado;
  • engajamento dos educandos, em concorrência com o uso de gadgets;
  • turmas grandes, com perfis distintos e necessidades variadas.

Mas, afinal, como superar esses desafios?

Aprendizagem contínua

Fica claro que com a grande velocidade de atualização das informações, o professor deve acompanhar o fluxo da mudança, a partir de uma abordagem de aprendizagem constante.

É essencial investir no uso de novos atrativos que possam envolver os alunos e estimular o aprendizado de maneira positiva, ainda que concorrendo com tantos fatores externos que podem vir a tirar o foco do docente no conhecimento e no saber.

Flexibilidade para assumir vários papéis

O ensino multifacetado coloca como prioridade que o professor esteja apto para assumir o papel de docente, mas também a motivar os alunos na busca pelo saber, proporcionando um desenvolvimento completo com o ensino e com o ambiente escolar.

Humanização do ensino

Surge um padrão de professor que atua não apenas como portador do conhecimento, mas também tem capacidade para compreender o aluno como um indivíduo, com suas diferenças e peculiaridades.

Por isso, o processo educacional não pode acontecer sem uma conexão estruturada no diálogo, troca e respeito. Isso amplia as dimensões da relação humana e constrói um caminho seguro não só para o aprendizado, mas para a troca de experiências.

Visão empreendedora

Com as novas formas de ensino, nasce um perfil de educador que deve compartilhar conhecimentos que estimulem a gestão pessoal e o saber com foco empreendedor. Essa é uma demanda que agrega inúmeros benefícios para a vida futura do aluno, e para a construção de um profissional apto para encarar os desafios do mercado de trabalho.

Além disso, para que o estudante consiga se manter centrado ele deve ter capacidade de organização, assim como conhecimentos voltados para outras competências, que vão além do saber teórico. Enfim, a escola deve ser um ambiente que envolve os alunos na capacidade de análise crítica da sociedade.

Organização

O professor deve ter uma grande capacidade de organização e essa é uma característica que supera qualquer transformação na forma de ensino.

No entanto, com esse novo perfil de educação que foge do referencial das aulas engessadas, é necessário que o educador seja capaz de rever o seu material mediante necessidade, para adequar a abordagem e as possíveis formas de interação àquelas apresentadas por cada turma. Isso demanda tempo e disponibilidade.

Conhecimentos tecnológicos

Para conseguir explorar todo o potencial da Educação 4.0, que utiliza de ambientes virtuais e gadgets para um ensino mais eficiente e interativo, o professor precisa ter conhecimentos tecnológicos.

Com a digitalização, e os variados recursos disponíveis pela inteligência artificial e Big Data, os aspectos que envolvem a educação devem também ser passíveis de se explorar recursos de interação e atualização constante do saber.

Formação continuada de professores: o poder da capacitação

A atualização constante nos conhecimentos do corpo docente é uma ferramenta essencial para construção do conhecimento dos alunos. Isso acontece por meio da formação continuada, que representa o constante processo de educação e expansão dos saberes não só pelos alunos, mas também por parte dos educadores.

São algumas das vantagens da formação continuada:

  • o processo de desenvolvimento constante do educador;
  • a oportunidade de aperfeiçoar práticas pedagógicas e individuais;
  • a relação entre o saber que integra o indivíduo e o coletivo;
  • o estímulo ao saber integrado às necessidades da sociedade;
  • a formação ininterrupta, com potencial para se adequar às rápidas e constantes transformações da sociedade.

Com isso, o resultado da formação continuada — que é parte da BNCC — é o desenvolvimento de habilidade que permitem ao educador engajar os alunos nas aulas e transmitir de maneira mais atual acontecimentos da atualidade o saber acadêmico.

Para tal, é essencial que os professores possam utilizar recursos da Educação 4.0, como videoaulas com técnicas inovadoras para engajar os alunos em sala de aula. Elas tornam possível que se desenvolvam novas habilidades e competências e, também, motivam os professores para que se mantenham alinhados com a cultura do aprendizado constante.

O professor como facilitador e mediador do conhecimento é um importante pilar de uma nova forma de educação, que apresenta importantes reflexos no ensino centrado no aluno e não mais, apenas, no saber acadêmico. Com isso, o educando torna-se plenamente apto a compreender e interpretar os desafios do saber.

Para você, a formação de professores é importante na construção do ambiente de aprendizado atual? Compartilhe nas suas redes sociais e divulgue essa ideia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Shares
Share This