GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: COMO FAZER E QUAL A IMPORTÂNCIA?

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: COMO FAZER E QUAL A IMPORTÂNCIA?
20 minutos para ler

A gestão escolar democrática é um exemplo de método administrativo que busca facilitar a integração dos processos na escola. O seu objetivo é envolver toda a comunidade — pais, alunos, professores, funcionários e diretores — nas decisões que impactam o dia a dia do ambiente escolar. Esse modelo pretende conduzir os procedimentos de modo transparente e igualitário, possibilitando a participação de todos nas tomadas de decisões.

Com a finalidade também de melhorar o ensino ofertado pelas escolas, esse tipo de gestão tem papel fundamental na vida acadêmica dos alunos. Isso porque a democratização da gestão proporciona a organização de um planejamento escolar mais eficiente e imparcial.

Ficou interessado? Quer saber como esse modelo pode ser colocado em prática? Neste post, vamos destacar a importância de uma gestão escolar democrática, apresentando os principais benefícios da metodologia. Confira!

Qual a importância dessa gestão para a escola?

A ideia principal da gestão democrática é oferecer aos estudantes a oportunidade de serem instruídos com qualidade e dar voz ativa a eles dentro da instituição. Desse modo, a participação e o engajamento de todos os agentes responsáveis pela educação é fundamental para suprir as necessidades coletivas em relação ao ambiente escolar.

Além disso, esse modelo valoriza a participação de todos os que fazem parte da estrutura escolar. Assim, é possível tornar mais leves as responsabilidades destinadas ao diretor, o qual poderá contar com o auxílio de outros recursos durante o processo de tomada de determinadas decisões.

Com a ação e o trabalho em conjunto de todos os componentes dessa estrutura, o colégio consegue evoluir de forma positiva, resultando na predisposição de processos, como:

  • criar vínculos sólidos com a sociedade;
  • realizar projetos políticos pedagógicos atrativos;
  • construir relações humanizadas;
  • favorecer processos educativos significativos;
  • fomentar a determinação no cumprimento da missão das escolas;
  • respeitar e valorizar as opiniões alheias;
  • objetivar a real posição social da escola.

Como implantar uma gestão escolar democrática?

Os desafios da direção escolar são inúmeros, assim como os interesses, desejos, demandas e objetivos dos diferentes públicos que devem ser levados em conta para que esse processo seja realizado de forma eficiente. Pensando nisso, o diretor precisa encontrar métodos que simplifiquem e integrem todas as áreas relacionadas à administração do colégio. Assim, engaja-se ao máximo todos os envolvidos no desempenho escolar dos alunos.

A decisão de modificar o modelo de gestão em uma instituição escolar deve partir dos coordenadores e diretores. Ter um ambiente pouco produtivo ou, até mesmo, um descontentamento constante por parte dos funcionários e estudantes pode ser a motivação necessária para implantar uma gestão que promova maior integração e engajamento.

O papel do diretor, portanto, é fundamental para estabelecer uma gestão escolar mais democrática. Ele precisa compreender que uma administração popular requer a renovação de ideias e técnicas pedagógicas para que, assim, desenvolva integralmente as capacidades dos alunos. Dessa maneira, ele deve estimular toda a comunidade escolar a assumir seu devido papel na implantação de uma gestão colaborativa.

Nesse sentido, é essencial que todos os participantes do processo educativo colaborem para a estruturação e definição das ações propostas no âmbito educacional. Ademais, o gestor deve garantir a integração das ideias e possibilitar a utilização de meios e métodos que aprimorem a gestão. Portanto, para que ela aconteça de maneira efetiva e consiga gerar resultados positivos dentro da instituição de ensino, é fundamental que cada integrante do sistema educacional entenda o seu papel ao longo do processo.

Quais são os benefícios dessa gestão?

Esse modo de gerenciamento suscita a participação direta da sociedade na direção das tomadas de decisão da administração escolar. Com isso, os diretores recebem auxílio, e a destinação dos recursos financeiros e investimentos de infraestrutura se tornam mais bem elaborados.

Esse modelo de gestão se aplica, também, de uma forma distinta da tradicional, pois envolve a participação de todos os setores nas decisões, algo que, até pouco tempo atrás, era inviável de se imaginar. Isso é positivo, pois o ato de compartilhar as responsabilidades possibilita encontrar soluções criativas e efetivas para os problemas enfrentados pelas escolas.

Muitas vezes, o ponto de vista de um estudante, por exemplo, pode apresentar uma solução mais eficiente para determinado problema do que a visão do diretor. Isso porque ele pode estar sendo diretamente afetado pela situação.

As vantagens de implementar esse modelo em sua instituição de ensino não são apenas essas. E para que você não fique com nenhuma dúvida sobre o assunto, apresentamos uma lista com os principais benefícios de tornar a gestão escolar mais democrática. Confira a seguir!

Descentralização das decisões

Com a descentralização das decisões, os procedimentos administrativos apresentam mudanças específicas. Para isso, é necessária uma mudança de comportamento de toda a estrutura que compõe a comunidade escolar. Assim sendo, o gestor assume o papel de favorecer um ambiente participativo, enquanto os demais trabalham em conjunto para buscar soluções e propor ideias inovadoras, que busquem alguma melhoria para a escola.

Além disso, o envolvimento de todas as partes permite uma proximidade maior com os fatos ocorridos no ambiente escolar e proporciona agilidade na tomada de decisões importantes. Ou seja, não é necessário que apenas uma pessoa tenha todas as responsabilidades sobre determinada escolha. Ao compartilhar essa deliberação, os processos internos se tornam mais rápidos e eficientes.

Participação nas deliberações

A participação direta e indireta da comunidade escolar produz bons resultados para a administração. Essa atuação efetiva é importante para que haja uma superação dos obstáculos, dificuldades e limitações encontradas na construção de uma escola efetiva na preparação acadêmica dos alunos.

Portanto, a presença na organização administrativa, pedagógica e em todos os outros processos decisórios contribui positivamente para o crescimento da escola. Afinal, muitas vezes, um ângulo diferente pode apresentar uma solução para um problema que ainda não foi nem mesmo debatido entre os tomadores de decisão.

Transparência na direção escolar

Outro aspecto muito relevante da gestão participativa se caracteriza pelo comprometimento com a transparência das decisões tomadas. Nesse quesito, a prestação de contas é uma ferramenta muito importante para comprovar a utilização legítima dos recursos financeiros — de modo responsável diante do poder público e da sociedade.

Esse princípio administrativo, que segue os principais conceitos de Governança Corporativa, é uma obrigação legal que todo diretor precisa ter. Além de fortalecer a transparência dentro da instituição escolar, essa ação se conecta também à formação continuada dos alunos, pois corrobora para o desenvolvimento da cidadania em todos os indivíduos responsáveis pelo trabalho.

Ganhos dentro das salas de aula

Um dos pilares da gestão escolar democrática é a autonomia. Dessa forma, o professor possui maior liberdade na hora de atuar dentro das salas de aula. Assim, os educadores e diretores podem, por exemplo, adequar a metodologia de ensino aplicada na escola às necessidades do ambiente em que está envolvido. Os perfis dos alunos e das instituições não são os mesmos e, portanto, é fundamental que o corpo docente tenha essa liberdade de atuação.

Em alguns casos, os alunos podem conseguir melhores resultados nas avaliações quando os docentes aplicam mais atividades fora das salas de aula, com filmes, passeios, visitas e, até mesmo, jogos que funcionam como ótimas ferramentas de ensino. Já em outras escolas, o rendimento é melhor com aulas mais teóricas e resolução de exercícios, por exemplo. O importante é que professores e diretores tenham a liberdade para focar na realidade da escola e de suas comunidades que compõem esse ambiente.

Melhora no dia a dia dos alunos

A transparência é outro ponto importante para que a gestão seja mais democrática, proporcionando maior clareza nas relações interpessoais e permitindo maior liberdade para todos que fazem parte do ambiente escolar. Para os alunos, as vantagens englobam uma maior cobrança e fiscalização do que está sendo feito por professores e diretores, garantindo que o que foi combinado nas discussões do cotidiano escolar seja, de fato, colocado em prática.

Com o aluno se tornando uma parte mais ativa dentro do processo de decisão e escolha, em que o estudante deixa de ser apenas um ouvinte, a tendência é uma melhora no engajamento e na participação dentro das salas de aula também. A voz do aluno passa a ser levada em consideração, significando, por exemplo, melhorias nas condições físicas da estrutura da escola e no tipo de atividade realizada em aula.

Educação de qualidade

A gestão interativa é um modelo que busca a transformação da realidade da educação e das instituições escolares como um todo. Por isso, conhecer o processo educacional, incluindo os bastidores das salas de aula é fundamental para o progresso do ensino.

Assim, a soma de todos os esforços para concluir o objetivo educacional das escolas resulta no crescimento profissional e democrático de toda a comunidade escolar. Bem como no favorecimento da vida acadêmica dos alunos e dos profissionais da educação.

Aproximação da comunidade no ambiente escolar

A presença da família na vida escolar dos alunos é uma estratégia de extrema importância para que eles se dediquem mais aos estudos. Os pais envolvidos estimulam o bom comportamento dos filhos no colégio, favorecendo seu engajamento. Além disso, o trabalho em conjunto com a formação do projeto político pedagógico é um meio seguro para que alunos e professores vençam os desafios em sala de aula.

Com a gestão escolar mais democrática, você incentiva os pais e familiares a participarem do dia a dia da escola de maneira mais produtiva. Tornar uma reunião de pais, por exemplo, um momento em que seja possível debater sobre ações e práticas que visem melhorar a qualidade do ensino. Aproximar as outras partes interessadas torna o ambiente escolar um local mais produtivo e atrativo para que todos os componentes exerçam as suas funções da melhor maneira possível.

Estudantes responsáveis

A atuação efetiva dos alunos na gestão escolar democrática permite que eles desenvolvam características e habilidades de administração e organização, além, é claro, de incentivar a participação dentro das salas de aula. O papel dos discentes é fundamental na tomada de decisões, pois eles vivenciam diretamente as rotinas escolares e reconhecem melhor as ações de melhoria.

Portanto, esse senso de argumentação e responsabilidade é um método eficaz para a evolução do aprendizado, da consciência política e cidadania de cada um. Ao incentivar que o aluno participe do processo de escolhas dentro da escola e fazer com que sua opinião seja levada em consideração, ele tende a levar mais a sério as suas ações e atitudes, por entender o impacto que isso pode gerar no ambiente escolar como um todo.

Qual o papel da comunicação para promover a integração?

Parte fundamental para que a implementação desse modelo de gestão seja, de fato, produtiva e gere resultados positivos para a instituição escolar está na comunicação dentro do ambiente educativo. Um diretor que comunica as suas decisões de maneira clara e objetiva aos demais colaboradores, por exemplo, vai ter muito mais sucesso como gestor do que alguém que guarda as resoluções para si.

Com o modelo de gestão democrática, o profissional escolhido para ocupar a função de liderança precisa entender a importância da comunicação. Seja para informar sobre uma decisão tomada ou conversar sobre possíveis soluções para um problema. A comunicação ativa entre as partes envolvidas no ambiente escolar só vai começar quando quem estiver mais responsabilidades colocar em prática.

Além disso, é fundamental que todos, do diretor aos demais funcionários da escola, estejam abertos para conselhos, sugestões, críticas construtivas e diferentes opiniões. É por meio do compartilhamento de informações e pensamentos que problemas são solucionados, permitindo o surgimento de novas ideias.

Como esse modelo ajuda a promover a imagem da escola e a atrair mais alunos?

Querendo ou não, também faz parte dos objetivos de qualquer instituição de ensino se tornar uma referência no setor de atuação. Ao adotar um modelo de gestão mais democrático e, aos poucos, registrar melhoras significativas em todas as áreas da escola, atrair e reter os estudantes se torna um trabalho muito mais simples.

Afinal, um dos principais pontos desse modelo é promover um maior engajamento entre a instituição e a comunidade escolar. Trazer os pais e familiares, cada vez mais, para dentro desse ambiente, favorece um espaço para que as suas vozes sejam ouvidas em busca de melhorias na escola como um todo. E parte importante do processo de escolha de qual instituição matricular o estudante está na forma positiva com que os responsáveis enxergam essas ações.

O modelo de gestão escolar democrática também promove benefícios que impactam, por exemplo, o rendimento dos estudantes. Consequentemente, os resultados positivos dentro das salas de aula e uma relação mais próxima entre alunos e corpo docente também têm um reflexo positivo no processo de decisão de qual escola matricular o estudante.

Além disso, a gestão escolar democrática fortalece a imagem da sua instituição de ensino, demonstrando que os tomadores de decisão estão, de fato, dispostos a encontrar as melhores soluções para oferecer um serviço cada vez melhor. Ouvir os outros componentes dessa engrenagem transmite a ideia de humildade, de reconhecer que, sozinhos, um grupo de diretores não pode, nem não deve, tomar todas as decisões e serem os únicos a escolher o caminho seguido dentro da instituição.

Quais são as ferramentas para aplicar a gestão escolar democrática?

Atualmente, existem diversas formas para tornar a direção escolar mais otimizada e eficiente, sendo possível atender às principais demandas de aprendizagem. Até porque, administrar um espaço educativo requer um desempenho inteligente por parte do diretor, uma vez que ele deve estar familiarizado com todos os processos que ocorrem no colégio.

Sendo assim, com a ajuda de algumas ferramentas é possível gerir o espaço para oferecer um serviço de qualidade, demonstrando empenho para atender bem à comunidade escolar. Isso promove maior satisfação e transparece que a instituição escolar preocupa-se com o bom andamento dos procedimentos ligados ao ensino.

Devido a tais fatores, elencamos algumas maneiras para que os diretores escolares possam executar a gestão escolar democrática da melhor forma. Acompanhe a seguir!

Realize um planejamento eficiente

O primeiro passo é elaborar um planejamento estratégico a fim de definir ações que tornem os processos mais eficazes. Até porque, por meio de um plano, é possível avaliar as prioridades que servirão para traçar encaminhamentos futuros, tendo uma visão sistêmica da realidade escolar. Com isso, o diretor deve articular todos os segmentos que envolvem a comunidade de ensino com o intuito de buscar soluções para os problemas e desafios enfrentados.

Nesse sentido, também é interessante definir uma equipe estratégica para realizar o diagnóstico, fazendo o levantamento das informações sobre a escola. A atividade pode ser feita por meio de entrevistas, atas de reuniões anteriores com os pais dos alunos ou, até mesmo, disponibilizando um painel para que as pessoas possam escrever suas opiniões.

Utilize metodologias

Existem inúmeras metodologias voltadas para a criação de projetos que podem ser úteis para implementar uma gestão democrática na escola. Elas têm como objetivo proporcionar um processo de aprendizagem que integra a comunidade com a realidade vivenciada. Ou seja, a formação é voltada para desenvolver todas as potencialidades dos indivíduos, estabelecendo mecanismos democráticos que tornam possível a concretização do currículo escolar.

Contando com um bom método pedagógico, portanto, a direção aumenta as chances de organizar tanto o trabalho administrativo quanto as questões referentes à atuação escolar. Isso possibilita um direcionamento mais planejado e consciente ao processo educativo como um todo, permitindo traçar estratégias para integrar todos os setores de forma eficaz e coerente.

Dê transparências às tomadas de decisão

Mesmo que as decisões sejam tomadas de forma coletiva, é fundamental que elas fiquem claras para todos os envolvidos, ou seja, é preciso que sejam o mais transparente possível. Para isso, o diretor pode atuar na divulgação das ações da instituição escolar, podendo-se utilizar as redes sociais ou os espaços físicos para comunicar as informações aos pais e alunos.

Igualmente, o Projeto Político Pedagógico também pode ser construído dessa maneira, uma vez que o documento elenca as responsabilidades de todos os indivíduos associados ao processo de ensino. Então, nada mais democrático do que acolher as ideias e sugestões de quem está diretamente conectado ao contexto escolar, não é mesmo?

Ouça a comunidade escolar

É interessante que nenhuma decisão seja tomada antes de ouvir e levantar as principais necessidades e considerações do coletivo. Assim, os pais podem auxiliar agindo em conjunto com a escola, dando opiniões sobre os projetos e demais ações que envolvem o cotidiano de ensino. O ideal, portanto, é que o diretor e a coordenação estejam sempre disponíveis para escutar e compreender quais são os pontos que devem ser melhorados ou modificados, contribuindo diretamente para a melhoria da relação com a comunidade.

Até porque, um bom projeto pedagógico tem o objetivo de aproximar os estudantes e seus responsáveis do cotidiano escolar, pois, dessa forma, é possível abrir um novo caminho que torne o colégio mais próximo da comunidade em que está inserido. Isso permite uma maior colaboração entre os envolvidos, que passam a se ver como parte efetiva do processo de aprendizagem.

Entre em consenso com as partes

Para que tudo aconteça de forma unânime e colaborativa, é fundamental que a comunidade participe das ações e decisões. Porém, muitas vezes os indivíduos podem ter uma divergência de ideias e opiniões, acabando por afetar o bom andamento do planejamento. Ou seja, é preciso que as partes entrem em consenso, incluindo tanto a direção escolar e seus funcionários quantos os pais e alunos.

De qualquer maneira, é essencial que o diretor deixe bem claro quais são os objetivos, metas e a missão pedagógica da escola, pois assim as ações podem ser baseadas seguindo tais diretrizes. Não é interessante descartar as diferentes sugestões logo de início, mas sim compreendê-las mais a fundo para que seja possível incorporá-las no planejamento de ações da escola.

Organize conselhos participativos

Por meio de conselhos participativos, a instituição escolar e a família se unem com o intuito de elaborar iniciativas e estratégias para pensar em formas de potencializar o processo de ensino. O ideal é que o conselho tenha representantes de ambos os lados, alunos e pais, para descentralizar a figura do professor, elencando a comunidade como fundamental nas tomadas de decisão.

Todos devem, assim, ter voz ativa, e a primeira medida que a direção tem que tomar é aumentar a quantidade de encontros e reuniões para que seja possível avaliar de forma contínua a formação dos estudantes. Assim, o conselho se torna uma excelente oportunidade para adquirir mais consciência dos procedimentos e de como a escola pode aplicar uma metodologia que exigirá a participação dos alunos e de suas famílias.

Invista em tecnologia

Para tornar os processos educativos ainda mais modernos e eficazes, o diretor pode optar por implementar tecnologias de informação e comunicação na escola. O recurso auxilia a organização da instituição de ensino como um todo, promovendo uma educação contextualizada com a realidade da comunidade, além de que, quando aplicada à prática pedagógica, é possível obter diversos benefícios.

No âmbito de uma gestão democrática, as ferramentas digitais são fundamentais para tornar os processos mais claros, transparentes e de fácil acesso. Para tanto, é preciso prestar atenção à qualificação dos profissionais que lidarão com a tecnologia, como professores e demais funcionários. O ideal é que a direção promova um curso de capacitação ou, até mesmo, uma formação voltada para esse objetivo.

Opte por um sistema de gestão escolar

Um sistema de gestão escolar é capaz de otimizar todos os processos do colégio a fim de que se aprimore cada vez mais a qualidade do ensino. Sendo assim, diversas tarefas e responsabilidades, como a parte financeira e de comunicação, são controladas sem que haja riscos de erros humanos.

Por exemplo, a Plataforma de Ensino Eleva traz inovações que contemplam todo o Projeto Político Pedagógico. Nesse sentido, utiliza-se a tecnologia para personalizar o aprendizado, sendo que o sistema da Eleva oferece tanto materiais didáticos contextualizados quanto assessorias pedagógicas dedicadas a solucionar os mais diversos problemas escolares.

Um diferencial que a plataforma promove é, justamente, o acompanhamento do dia a dia das escolas, sempre com o objetivo de auxiliá-las no que for preciso. Além disso, a plataforma de ensino oferece um encontro de diretores em um congresso anualmente, com o intuito de debater as tendências da educação, mostrando as novidades no sistema de ensino e promovendo palestras para capacitar ainda mais o trabalho administrativo.

Fica evidente, portanto, que uma gestão escolar democrática oferece inúmeros benefícios para a instituição escolar. Além de garantir que o trabalho do diretor seja mais preciso e resulte em melhores ações e estratégias, é possível incentivar o engajamento entre todas as pessoas que compõem o espaço educativo.

Gostou do conteúdo? Aproveite a visita e leia também o nosso guia completo sobre administração escolar! Até a próxima!

Um comentário em “GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: COMO FAZER E QUAL A IMPORTÂNCIA?

  1. Gestão democrática muito divulgada, compartilhada e defendida por quase totalidade das instituições, ainda, infelizmente, acontece só no discurso. É praticada por poucos. Pior que isso, é usada para interesses individuais de “empoderamento”. Precisamos de uma mobilização real (participativa) para acabarmos com a grande hipocrisia que prevalece sobre o tema.

Deixe uma resposta

[eBook Gratuito]
[eBook Gratuito]