Microlearning: o que é, como funciona e quais são suas vantagens

Microlearning: o que é, como funciona e quais são suas vantagens
7 minutos para ler

Um dos maiores desafios de quem atua como professor é manter o foco dos alunos do início ao fim da aula. Para aumentar o engajamento da turma, é fundamental buscar formas mais atrativas e eficientes de apresentar o conteúdo, como o microlearning, que surgiu como um formato de treinamento em empresas e é apontado como tendência para as instituições de ensino.

O conceito tem como finalidade ensinar conteúdos considerados complexos de uma maneira objetiva, separando-os em pequenas doses de conhecimento, que demandam menos tempo e concentração por parte do aluno. Assim, o processo de aprendizagem se torna mais focado, já que os estudantes não precisam ficar horas debruçados sobre o mesmo assunto.

Quer saber mais sobre o assunto? Neste post, você vai entender o que é, como funciona e como o microlearning pode beneficiar as escolas. Confira!

O que é o microlearning?

Derivado do inglês, o termo microlearning significa ‘’micro aprendizagem’’ e se caracteriza como uma abordagem de ensino de curta duração, dividida em peças que transmitem uma pequena parte de um conteúdo que, juntas, formam uma unidade completa. A ideia é transmitir informações objetivas de forma simples e rápida, a fim de prender a atenção do aluno e garantir que ele assimile o conteúdo com maior facilidade.

Além disso, a metodologia é flexível e desenvolvida com base nas necessidades do estudante, permitindo que ele tenha acesso aos tópicos mais importantes do tema e respeitando o seu déficit de atenção. Esse modelo se diferencia das aprendizagens tradicionais pelo fato de reduzir a carga cognitiva do aluno, tendo em vista que ele precisa focar em uma única informação por vez.

O método é recente, mas a tendência é que ganhe grandes proporções nos próximos anos, principalmente com a expansão do ensino remoto estimulada pela pandemia do novo Coronavírus. Afinal, o seu formato foi pensado para o aprendizado on-line, que pode ser acessado por qualquer dispositivo e a qualquer momento.

Como essa abordagem funciona na prática?

Enquanto uma aula convencional se estende por horas, na abordagem microlearning essa mesma aula pode ser dividida em pequenas sessões. Isso porque o conteúdo é organizado com o intuito de não exigir muito tempo e concentração do aluno.

Geralmente, as informações são reunidas em formato de vídeo, com duração de até cinco minutos, e disponibilizadas nas plataformas digitais da instituição de ensino. Todavia, vale ressaltar que os materiais de microlearning não se limitam apenas à gravação de vídeos, uma vez que também é possível trabalhar com vídeos de animação, atividades gamificadas, slides, podcasts e animações de whiteboard, por exemplo.

Nessa metodologia, o aprendizado vai sendo construído aos poucos, pois ele se dá por etapas. A cada material liberado, o estudante vai aumentando o seu conhecimento sobre o tema. Caso tenha alguma dúvida no decorrer dos seus estudos, ele pode acessar o material novamente, indo direto ao ponto, sem ter que ler um texto extenso ou assistir longos minutos de videoaula para chegar até o trecho desejado.

Quais são as suas vantagens?

O sistema de ensino em que somente o professor é o responsável pela transmissão do conhecimento se tornou defasado, perdendo espaço para o modelo que prevê o protagonismo do aluno, no qual ele atua como personagem principal na construção do seu aprendizado.

Nesse sentido, o microlearning é um poderoso aliado para as escolas, pois é centrado no estudante, que tem autonomia para selecionar o que deseja aprender e o tipo de dispositivo mais apropriado para as suas necessidades. A seguir, veja outras vantagens desse método.

Trabalha com materiais fáceis de produzir

Conforme já dissemos, os materiais do microlearning podem ser produzidos em diferentes formatos de curta duração, que vão desde vídeos até slides. Portanto, são mais fáceis de serem produzidos. Porém, isso não significa que são feitos sem planejamento, visto que seguem um roteiro com os pontos mais importantes do conteúdo.

Outro ponto positivo é que, por se tratar de sessões curtas, o educador pode segmentá-las de acordo com as características dos seus alunos. Por exemplo: se um grupo de discentes apresenta dificuldades em uma parte específica da disciplina, pode-se criar materiais personalizados para ajudá-los a transpor essa barreira.

Otimiza o tempo dos professores e alunos

O tempo é um elemento valioso no processo de aprendizagem, pois a instituição de ensino precisa seguir um cronograma de conteúdos ao longo do ano letivo. Logo, é essencial que cada aula seja utilizada de forma efetiva — e a adoção do microlearning contribui para a otimização do tempo tanto dos professores quanto dos alunos.

As aulas que seguem esse padrão têm um processo de produção mais prático e rápido, já que os temas são divididos em partes pequenas e objetivas, sem comprometer a performance dos educadores na execução de outras atividades.

Os estudantes ainda podem acessar um conteúdo mais direcionado, que trata das questões que eles realmente precisam aprender para continuar se desenvolvendo.

Aumenta a produtividade

Como demanda menos tempo para a aquisição do conhecimento, a tendência é que a metodologia também aumente a produtividade do aluno. Ao assistir um vídeo de poucos minutos, por exemplo, ele pode assimilar o tema proposto, sanar as suas dúvidas e resolver exercícios sem enfrentar maiores obstáculos, o que reflete no seu desempenho escolar como um todo.

Tem fácil manutenção

O sucesso do método microlearning está na capacidade de manter os materiais atualizados. Diante disso, a ferramenta de ensino também é vantajosa, pois oferece fácil manutenção, possibilitando a entrega do conteúdo na frequência prevista pelo cronograma da escola, além de utilizar recursos de baixo custo na produção dos materiais didáticos.

Como planejar o conteúdo baseado neste conceito?

Para que o propósito do método seja cumprido, é necessário organizar e construir o conteúdo a partir de uma estrutura que se adeque às suas características. Saiba como planejar a apresentação de um tema dentro dos parâmetros determinados pelo microlearning.

Separe o conteúdo em pequenas partes

Em primeiro lugar, divida o conteúdo em pequenas partes — cada uma forma uma sessão de ensino. Certifique-se de que cada unidade de conhecimento apresenta o tema com o máximo de objetividade, mas sem deixar de lado informações relevantes para o entendimento do estudante.

Conte com uma plataforma on-line

O conteúdo preparado pelo professor precisa estar disponível no ambiente virtual para que os alunos possam acessá-lo sempre que precisarem por meio dos seus dispositivos. Para isso, é imprescindível adotar uma solução digital capaz de comportar os materiais e assegurar o seu acesso com qualidade.

Utilize formatos diferentes

Um dos princípios do microlearning é ensinar um conteúdo complexo de uma maneira simplificada e atrativa. Para isso, é indicado variar o formato dos materiais, apostando não só nos vídeos, mas também em podcasts, games e demais elementos que façam parte do cotidiano dos jovens e os estimule a interagir com o assunto.

Devido à constante evolução das tecnologias utilizadas na área da educação, o fortalecimento do ensino remoto e a sua eficiência para transmitir conhecimentos complexos, o microlearning tem tudo para se tornar uma metodologia cada vez mais popular nas escolas.

No entanto, é importante deixar claro que ele não substitui o macro aprendizado, devendo ser usado como um complemento para potencializar o desenvolvimento dos alunos.

Achou este post interessante? Assine a nossa newsletter agora mesmo e receba outros conteúdos exclusivos no seu e-mail!