Professores na pandemia: os desafios para quem ama o que faz

professores na pandemia
8 minutos para ler

Diversos desafios têm sido enfrentados pelos professores na pandemia de COVID-19. Alguns deles precisaram lidar com as mudanças bruscas e se adaptar ao ensino a distância, outros ficaram impedidos de dar aulas devido à falta de infraestrutura nas escolas em que trabalham.

Entretanto, continuar o processo de ensino-aprendizagem sem aulas presenciais é difícil para todos eles, mesmo no caso daqueles que já tinham certa familiaridade com esse modelo. Afinal, em vez de utilizar recursos on-line como complemento das atividades em sala de aula, eles precisam concentrar todos os seus esforços neles.

Além disso, também há o fator emocional. Os professores que são apaixonados pela carreira que escolheram e amam trocar conhecimento com seus alunos estão sofrendo com a distância deles.

Conversamos com três educadores para entender melhor como eles estão lidando com esse momento. Saiba a seguir um pouco sobre a experiência deles na pandemia e o que têm feito para enfrentar esse momento complicado.

Professores na pandemia

Para ter uma noção clara da realidade da educação e dos professores na pandemia, é importante ter em mente alguns aspectos.

Adaptação de aulas presenciais para o formato online

Quando abordamos esse ponto, algumas pessoas podem pensar que estamos nos referindo ao uso de tecnologia na educação, mas a questão vai muito além disso, como aponta Virgínia Chaves, gerente pedagógica da Eleva Educação.

Ela afirma que, diante das circunstâncias, não estamos fazendo ensino a distância. Porque ele é programado e tem diversas particularidades que vão desde a estrutura diferenciada, passando pela linguagem até a abordagem.

“Não foi isso que aconteceu. A gente teve que, na verdade, transportar um ensino presencial para o ambiente online, então, isso gerou muita angústia para todos, tanto professores como alunos”, explica Virgínia.

Além disso, é importante ressaltar que cada professor está inserido em um contexto distinto. Afinal, a infraestrutura das escolas varia bastante no país. Há desde aquelas completamente equipadas para implementar o ensino a distância, até aquelas que não têm condições de fazer isso.

Transformação do processo de ensino

A escola precisou se reinventar e, em meio a isso, surgiram possibilidades. Patrícia Paranhos, assessora pedagógica da Eleva Educação, explicou que, inicialmente, realizar todas as atividades virtualmente foi um choque tanto para professores como alunos, pois ninguém estava preparado.

Entretanto, depois desse momento inicial do isolamento, começou uma nova etapa. Segundo Patrícia, estamos “vivendo um grande laboratório com diversas oportunidades para o professor aprender no que diz respeito à parte tecnológica”.

Isso é bastante positivo, porque nos impulsiona a promover mudanças para aumentar a qualidade da educação. Nesse sentido, Matheus Borré, coordenador pedagógico do TRI.P EAD, acrescenta que “o que antes dependia de uma abertura na estrutura organizacional de uma instituição para ser estudada, hoje é o meio pelo qual a educação no mundo se reordenou.”

Diante disso, “cabe a nós, profissionais capacitados pedagogicamente, permanecer utilizando as metodologias ativas que estão sendo desenvolvidas após o período de confinamento. Dessa forma construiremos a nova forma de educar”, completa Matheus.

Adaptações na rotina

Nesse cenário, para se adaptar os professores precisaram também fazer mudanças em suas rotinas. Há uma quantidade considerável de ferramentas disponíveis que podem ajudá-los nisso.

Virgínia explica que precisou fazer várias alterações em seu planejamento diário até encontrar um modelo que funciona para ela. Em meio a isso, ela consegue ver os benefícios. “Consigo acordar mais tarde, acordar com calma, ficar um tempo com meu filho antes de começar as atividades do dia. Consigo fazer exercício físico, consigo mais tempo.”

Matheus conta que conseguiu ter mais tempo para realizar atividades pelas quais se interessa, e lembra que muitos professores não têm esse privilégio. Além do trabalho, eles precisam cuidar da casa e dos filhos.

Já Patrícia relata, por exemplo, sua dificuldade de controlar o tempo, o que faz com que ela trabalhe durante muitas horas, e ressalta a importância da organização para conseguir conciliar seu trabalho com a vida pessoal. Usando algumas ferramentas, essa tarefa torna-se mais fácil.

Quanto às ferramentas tecnológicas, os três educadores com quem conversamos citaram Google e suas extensões, destacando o Google sala de aula e o Google Meet, para realizar aulas síncronas. O importante, como Matheus ressalta, não é o número de ferramentas, mas, sim, lembrar das pessoas envolvidas nesses esforços. Os recursos digitais são apenas meios para transmitir e partilhar conhecimento.

Desafios e incertezas

Os três entrevistados relataram dificuldades muito parecidas, sendo que a principal delas é se adaptar rapidamente a uma nova realidade. De repente, foi preciso mudar completamente as práticas pedagógicas.

Além disso, há desafios pessoais. Dar aulas à distância pode ser bastante incômodo para alguns professores, como é o caso de Virgínia. Ela defende que a troca com os alunos é profundamente afetada. “Todo o ambiente da sala de aula, toda a comunicação corporal que a gente faz é importante para que as coisas se façam entender. Isso é perdido.”

Também há desafios técnicos, um ponto unânime entre os entrevistados. De um lado, Matheus revela a dificuldade de se adaptar rapidamente e escolher as melhores ferramentas diante de tantas opções, lembrando que, como sociedade, não estamos preparados para lidar com a velocidade das mudanças.

Ademais, Virgínia aborda um ponto essencial. Embora já tenha se passado tempo suficiente para aceitar a situação, surgem outras questões. “Agora, acho que é um cansaço mental de passar muito tempo na frente do computador e outras questões.”

Dificuldades de ficar distante dos alunos

Nossos entrevistados estão completamente de acordo quanto a um ponto: a maior dificuldade enfrentada por eles durante a pandemia é, sem dúvidas, estar longe de seus alunos.

Virgínia conta que, apesar dos benefícios de trabalhar em casa, como não precisar se deslocar até a escola em que trabalha, ela afirma que sente muita falta de estar com seus alunos. “É uma coisa muito importante e rica do processo de comunicação professor-aluno que acaba se perdendo. Sem contar as possibilidades de eles interagirem entre si na realização de atividades.”

Patrícia se sente da mesma forma. “Isso é muito ruim, dar aula ao vivo olhando para um PPT na tela do seu computador […] Eu estou sentindo muita falta e eles também estão sentindo muita falta. Fora a sociabilização toda, que a gente tem quando tá no ambiente de escola junto com os alunos”.

Já Matheus explica que não poder verificar as reações dos estudantes prejudica a qualidade do ensino. “Não há como perceber as reações de dúvida, clareza, curiosidade ou tédio que são naturais em um ambiente de sala de aula. O professor define suas estratégias a partir da comunicação não verbal dos seus alunos […] Não possuir esse recurso afeta a qualidade do diálogo que está acontecendo.”

Ajuda da Eleva nesse momento

De acordo com os três entrevistados, a Eleva Educação tem oferecido um apoio especial nesse momento tão difícil. Além dos recursos que já eram oferecidos antes, a Eleva tem produzido materiais específicos, realizado webinars, proporcionado uma troca ainda mais intensa entre os educadores que fazem parte da rede.

Além dos recursos pedagógicos, como planos de aula semanais e materiais que oferecem suporte aos educadores, a Eleva também demonstra a preocupação com a saúde mental dos professores e com o modo como eles estão lidando com os alunos, segundo Virgínia. Ter esse apoio faz toda a diferença.

Agradecimento a todos os professores

Considerando tudo isso, fica claro que, apesar dos percalços, os professores estão fazendo o possível para lidar com a situação da melhor maneira possível. Todos estamos com dificuldades, mas esses profissionais merecem uma salva de palmas.

Os professores continuam trabalhando incansavelmente para garantir que nossas crianças e adolescentes tenham acesso a um ensino de qualidade. Eles se esforçam para se adaptar e estar presentes, preocupando-se com seus alunos apesar de precisarem lidar com seus desafios pessoais.

Além disso, eles não se deixam abalar diante de desafios. Pelo contrário. Estão sempre dispostos a ajudar, acolhendo seus alunos, ensinando e aprendendo com eles. Por isso, deixamos o nosso mais sincero agradecimento a todos os professores.

Como você pôde perceber, agora, mais do que nunca, os educadores estão desempenhando um papel importantíssimo na sociedade. Ao mesmo tempo em que lidam com as dificuldades que todos enfrentamos, os professores na pandemia oferecem um apoio inestimável a todos os pais e mães que estão com seus filhos em casa.

Para saber como a Eleva Educação pode ajudar você também, visite o nosso site.

Professores na pandemia: os desafios para quem ama o que faz