5 principais tendências do mercado educacional para 2022!

5 principais tendências do mercado educacional para 2022!
6 minutos para ler

A área da educação está sempre passando por transformações, a fim de garantir aos alunos uma formação alinhada às demandas da sociedade contemporânea. Nesse cenário, se atentar para as tendências do mercado educacional é indispensável para continuar oferecendo um ensino de qualidade e atrativo para as crianças e adolescentes, além de manter a sua competitividade frente à concorrência.

As tendências refletem as mudanças sociais, como é o caso do ensino híbrido, que ganhou espaço durante a pandemia e deve continuar sendo aplicado pelas instituições de ensino nos próximos anos. Ao entendê-las, você pode analisar quais se encaixam aos objetivos e ideais da escola e, a partir daí, incluí-las em seu planejamento escolar e pedagógico.

Quer saber mais? Neste post, preparamos uma lista com as principais tendências educacionais para 2022 que você deve conhecer. Confira!

1. Ensino Híbrido

No início de 2020, as escolas do mundo todo foram surpreendidas pela pandemia do coronavírus, período em que tiveram que se adaptar rapidamente e adotar o ensino remoto, que posteriormente passou para ensino híbrido, para dar continuidade à aprendizagem dos estudantes. Porém, o formato adotado como uma medida emergencial tem tudo para ser ainda mais forte no futuro.

A tendência se firma principalmente pelo fato de haver uma instabilidade em relação ao que pode acontecer no período pós-pandemia. Assim, o ensino híbrido surge como um ponto de equilíbrio entre o ensino presencial e remoto. Para tanto, é necessário que as escolas invistam tanto na adoção de tecnologias educacionais quanto na capacitação dos educadores para lidar com as ferramentas virtuais.

Além disso, há que se fazer uma integração do aluno com o ambiente presencial e on-line, o que ocorre por meio da implementação de metodologias de ensino mais flexíveis, que coloquem o discente como protagonista e ofereçam autonomia para a construção do seu aprendizado.

2. Humanização do ensino

Apesar do avanço da tecnologia nas instituições de ensino e o fortalecimento dos processos educacionais digitais, a humanização continua sendo um aspecto crucial para uma aprendizagem de excelência. Isso se deve também aos impactos causados pela pandemia, que mexeu com o lado emocional dos alunos, visto que muitas famílias perderam entes queridos nesse período.

A valorização da humanização na instituição de ensino contribui para aproximar as pessoas, criando laços afetivos mais profundos. Quando a aprendizagem respeita o lado socioemocional dos alunos, pode-se formar cidadãos conscientes da importância das suas atividades para a comunidade ao seu redor e que, portanto, participam ativamente da sociedade.

Na educação humanizada, a escola promove ações que valorizam as relações humanas, características e emoções individuais dos discentes. Com isso, mais do que visar o desempenho acadêmico das crianças e adolescentes, o time de educadores também se preocupa em fornecer acolhimento para que se sintam seguros e confortáveis. Desse modo, eles podem desenvolver o autoconhecimento e entender melhor quais são as suas potencialidades.

3. Educação 5.0

Bastante discutida nos últimos anos, a educação 5.0 é mais uma novidade que vem para ficar. A sua ideia principal é promover o uso da tecnologia de maneira produtiva e saudável, com o intuito de proporcionar maior qualidade de vida para todos os membros da comunidade escolar.

O conceito de educação 5.0 se baseia no protagonismo do aluno e está alicerçado na integração do ser humano com as ferramentas tecnológicas. Nos próximos anos, tanto a construção dos currículos escolares quanto a formação dos professores serão voltadas para essa perspectiva.

5 principais tendências do mercado educacional para 2022!

Partindo desse princípio, o desenvolvimento de idiomas, competências socioemocionais e linguagens digitais são temas que vão estar cada vez mais presentes na sala de aula, já que preparam o estudante tanto para as mudanças sociais quanto para o mercado de trabalho.

4. Ensino personalizado

Por muito tempo as escolas tentaram impor as mesmas metodologias e ações para todos os alunos. Mas quando estas não consideram as particularidades de cada um dos estudantes, muito deles acabam não conseguindo seguir o mesmo ritmo de aprendizagem, ficando para trás em relação ao restante da turma.

Nesse sentido surge o ensino personalizado, que é definido como uma estratégia que utiliza a tecnologia para oferecer uma aprendizagem que leva em conta as características individuais do discente. Na prática, a tendência tem como finalidade adaptar o ensino para o perfil de aprendizado dos alunos.

Cada indivíduo é único e aprende de uma forma diferente. Com as tecnologias disponíveis na atualidade, o conceito busca favorecer o aprendizado para torná-lo mais atrativo. A partir de um currículo personalizado, as aulas são lecionadas de forma não linear e os estudantes podem participar de trilhas de conhecimento variadas, tendo o educador como uma figura facilitadora.

Sem falar que a implementação correta das tecnologias educacionais também permite que a escola mensure a interação do discente com os conteúdos e, assim, possa adequar o conteúdo ou linguagem às demandas do aluno.

5. Aprendizagem imersiva

A educação imersiva não é exatamente uma novidade, caracterizada por colocar o discente no centro da experiência, é comumente praticada no ensino de línguas estrangeiras. Porém, ela ganha uma nova cara por meio da tecnologia, possibilitando que os alunos vivenciem o conhecimento em vez de somente recebê-lo de forma teórica.

A realidade aumentada, Vídeo 360º e tecnologia virtual são grandes aliados que têm estimulado a aprendizagem imersiva nas escolas. Eles ajudam a eliminar as distrações, fazendo com que o aluno mergulhe e se concentre melhor em seus estudos. Os conteúdos aprendidos em sala de aula, por exemplo, podem ser ampliados para vídeos imersivos que reforçam o aprendizado dos estudantes.

Podemos citar também os FavLabs, que são espaços nos quais os alunos podem colocar em prática tudo aquilo que aprendem. Neles, é possível confeccionar produtos em 3D ou ainda com impressoras de corte a laser com base em um conceito teórico estudado em uma determinada disciplina.

Deve-se dizer que a aprendizagem imersiva vem para complementar o conhecimento teórico convencional, incentivando o discente a questionar os conteúdos apresentados pelo educador e exercer a sua criatividade — fatores que ajudam a assimilar os saberes adquiridos e aumentando o interesse pelos temas abordados na escola.

As tendências do mercado educacional caminham para um futuro da educação que adota a tecnologia como ferramenta de transformação, capaz de personalizar a aprendizagem e proporcionar experiências de ensino diferenciadas. Acompanhar essas mudanças é vital para oferecer um serviço de qualidade, condizente com as necessidades dos alunos e com alta relevância entre os seus familiares.

Gostou deste post? Que tal seguir as nossas redes sociais para acompanhar mais conteúdos exclusivos? Nós estamos no Facebook, YouTube, LinkedIn, Instagram e Telegram.

5 principais tendências do mercado educacional para 2022!